Blogs,  Críticas,  Estante da Sala

[8º Olhar de Cinema] Pretérito. Imperfeito

Esta crítica faz parte da cobertura do 8ª Olhar de Cinema- Festival Internacional de Curitiba, que ocorre entre 5 e 13 de junho na cidade. 

Uma grua movendo-se lentamente no alto de um arranha-céu, balançando com o peso da carga carregada. Um trator derrubando uma casa, passando em meio a escombros. A banalidade das imagens em preto e branco de Pretérito.Imperfeito captura o olhar. A diretora, Zhun Shengzhe, aborda nesse documentário o streaming, transmissão ao vivo de imagens pela internet, que se tornou extremamente popular na China (ao ponto de, conforme explicado no começo do filme, hoje haver legislações específicas para a prática).

Apesar de começar com imagens de equipamentos em funcionamento, o foco do filme são as pessoas. Um homem do campo capinando um terreno. Um rapaz com um condição hormonal que não cresceu. Um homem com braços e pernas pouco desenvolvidos. Um jovem que pratica auto-mutilação. Um dançarino de rua. Uma mãe solo de 23 anos que trabalha como costureira em uma fábrica de roupa íntima. Nesse sistema em que as pessoas desnudam sua rotina para estranho em troca de moeda virtual que é trocada por dinheiro real, não é de se estranhar que quem mais aparece são aqueles em situação de vulnerabilidade social.

Não há letreiros nem voice over: o documentário é construído na montagem das imagens captadas. Shengzhe nos faz ver a imagem sem corte, sem raccords, sem uma sobreposição temática que dê pistas sobre um discurso ou narrativa que queira criar. As sequências são divididas em capítulos numerados, ao invés de nomeados. Dessa forma, o que atrai não é a estética ou a poética daquilo que vemos, é a própria banalidade das vidas apresentadas, que destaca a relação voyeur que temos com as imagens. Observar minutos ininterruptos de cada uma dessas transmissões nos coloca no papel de compartilhar o interesse que seu público nutre por elas e ao mesmo tempo tentar entender porque elas são interessantes em sua vulgaridade e o que nós, enquanto humanidade, buscamos encontrar em outros, desconhecidos mas próximos.

É impossível não pensar em Um Dia na Vida, de Eduardo Coutinho, que nos fez assistir a televisão aberta brasileira e pensar no sentido das imagens proporcionadas por ela. Aqui a busca por esse sentido se intensifica, já que é um retrato de um local e momento histórico com internet acessível e de alta velocidade em que o conteúdo gerado sequer precisa significar algo. E nesse sentido, embora outros locais pudessem ter a mesma possibilidade da China apresentada, porque o streaming virou um fenômeno tão maior lá?

Se, conforme Andy Warhol, “um dia, todos terão direito a 15 minutos de fama” e se isso, em determinados contextos, pode já ser uma realidade, que valor sobrou para o palco? Funcionando como uma espécie de repertório de realidades diversas de vivências digitais e apesar de sua duração um pouco longa (com meia hora e menos seria igualmente interessante e menos cansativo), o documentário acerta ao colocar em questão nós mesmos, enquanto espectadores, desvelando nossos interesse pueris.

Nota: 3,5 de 5 estrelas

Share

[8º Olhar de Cinema] Pretérito. Imperfeito

Compartilhe
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *