• Discos,  Indicações

    APKÁ!, de Céu

    Tenho ouvido bastante o APKÁ!, quinto álbum de estúdio da cantora e compositora paulista Céu, que eu acompanho desde o disco homônimo lançado em 2005 (com a famosa “Malemolência”). Este trabalho não supera o já clássico Vagarosa (2009) nem Tropix (2016), meu preferido, mas como sempre, traz uma sonoridade envolvente e letras marcantes cantadas pela voz doce e meio rouca, especialmente “Coreto” (clipe abaixo) e “Nada Irreal”.  Stephania AmaralMestra em cinema de horror, revisora e aspirante à crítica de música no @discosdaste

  • Filmes,  Indicações

    Capitã Marvel

    Capitã Marvel, história de origem da heroína da Marvel, protagonizada pela Brie Larson e dirigida pela dupla Anna Boden e Ryan Fleck, chegou ao serviço de streaming da Amazon. A heroína é uma terráquea que faz parte de um exército extraterrestre. Em 1995 ela vem à terra tentar evitar uma invasão alienígena e ai tem que lidar com os flashes de memórias que têm no local. É uma boa pedida para quem deixou passar nos cinemas e depois ainda pode emendar o nosso programa sobre o filme na sequência!  Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo, gênero e cinema e é feminista. http://estantedasala.com

  • Indicações,  Seriados

    Pose

    Recentemente o catálogo da Netflix recebeu como acréscimo o seriado Pose, criado por Steven Canals, Brad Falchuk e Ryan Murphy, com episódios dirigidos por Gwyneth Horder-Payton,Tina Mabry, Janet Mock, entre outras. Trata-se de uma história que se passa nos bailes queer de Nova York em 1987, em que homens cisgênero gays, mulheres transgênero e drag queens participavam de competições em busca da melhor performance artística, com temas variados, geralmente de personificar determinados signos de status. O universo é o mesmo retratado no documentário Paris is Burning, dirigido por Jennie Livingston (que também dirigiu um episódio da série), sendo que ele já foi recomendado nesse espaço e está disponível no serviço de streaming. Um dos pontos fortes da série é o protagonismo diverso…

  • Indicações,  Livros

    Digo Te Amo para Todos Que Me Fodem Bem, de Seane Melo

    Uma amiga me emprestou recentemente o livro “Digo Te Amo para Todos Que Me Fodem Bem” (Quintal Edições). Quando comecei a ler no busão já de volta pra casa, animada pelo impacto que causou nela, pensei que eram relatos da autora maranhense Seane Melo, tamanha a verossimilhança da forma como se deu a narrativa. Mas logo vi que havia uma personagem, Vanessa, que na verdade parece ter sido mesmo inspirada por casos de moças reais. Em entrevista para a revista Claudia, Seane afirma que “Sentia falta de ler diálogos mais casuais em que a mulher não estivesse sempre disponível”. A autora – também podcaster no @mulheresqueescrevem – publica outras histórias…

  • Discos,  Indicações

    Mais que os Olhos Podem Ver, de Jade Baraldo

    Tenho ouvido muito o “Mais que os Olhos Podem Ver” (2019), disco de estreia de Jade Baraldo. A xovem que surgiu ano passado com o refrão forte “vadia, louca, depravada…” continua corajosa e indomável desde os primeiros versos em “perigo” (veja o clipe abaixo), depois do convite “vem sentir comigo”: “não tenho medo de ser quem eu sou, nem tenho vergonha nenhuma de expor”. O clima de romance é mais forte no primeiro ato, em faixas como “nós 2”, “yo quiero!” e “jardim”. Ela canta em inglês em “oh my baby… let’s die together”, reforçando a pegada pop embalada por alt-R&B e MPB. As letras ficam mais críticas e agressivas…

  • Indicações,  Seriados

    Transparent

    Transparent chegou ao seu fim. Eu já havia indicado o seriado em uma edição anterior da newsletter (o texto pode ser lido aqui) e confesso que não tive tempo ainda de ver esse finale. Masacompanhar a jornada dos Pfefferman tem sido de uma beleza agridoce: cada um em busca de seu auto-conhecimento e de seu lugar e todos do pertencimento que é a família. Criada por Jill Solloway, uma pessoa não-binária que escreve e dirige uma parte dos episódios, conta a história de Maura, uma mulher transgênero de 60 anos, sua ex-esposa Shelly, e os filhos Sarah, Josh e Ali. Essa última, muitas vezes lida como alter-ego de Jill, passa pela própria caminhada de…

  • Discos,  Indicações

    Planeta Fome, de Elza Soares

    Aos 82 anos, Elza Soares, depois dos impecáveis A Mulher do Fim do Mundo (2015) e Deus é Mulher (2018), demonstra extrema vitalidade ao lançar o 34º álbum de sua carreira, Planeta Fome (2019) – a capa maravilhosa é da Laerte! Com parcerias com BaianaSystem e BNegão, com direito a referências ao Tim Maia “me dê motivo, pra ir embora…” e agradecimento irônico ao Garrincha, “obrigada mané!”, ela regravou ainda canções de Seu Jorge e Gonzaguinha, além da recente “Não Recomendado”. Os ritmos e as letras pesados refletem a atual atmosfera política do país, referenciado a todo momento não só na faixa “Brasis”. Segundo a dELZA, “o Brasil só está…

  • Filmes,  Indicações

    Filhos da Guerra, de Agnieszka Holland

    Hoje vou trapacear. Nas últimas semanas não entrou muita coisa interessante em termos de protagonismo ou autoria feminina nem na Netflix nem  na Amazon. Então vou reforçar o que já havia indicado no twitter: quem tiver acesso ao Mubi, corre que o filmaço Filhos da Guerra, da cineasta polonesa Agnieszka Holland, está no catálogo. Ela tem um  grande apreço  pela temática da Segunda Guerra e esse filme, em específico, trata de um menino judeu que se esconde entre a Juventude Hitlerista para sobreviver. Além dele, entrou para o catálogo o filme Rastros. Sobre o Filhos da Guerra, foi um dos filmes sobre os quais debatemos no nosso primeiríssimo programa, que foi sobre a…

  • Discos,  Indicações

    Desmanche, de Karina Buhr

    Depois de Eu Menti pra Você (2010), Longe de Onde (2011) e Selvática (2015), a cantora baiana Karina Buhr lança seu quarto álbum, Desmanche (2019), espera que fez valer cada faixa. Talvez o mais pesado, tem tambores que remetem aos primórdios da carreira na Comadre Fulozinha, tem espaço para romance – ainda que desiludido – em “Amora” e mantém o característico sotaque recifense, parte de sua afrontosa resistência. Apesar dos títulos que aparentam ser regravações, as faixas são composições próprias, como “Chão de Estrelas”, “A Casa Caiu” e “Filme de Terror”, bolero irônico em que “vende-se ânimo, valentia, coragem”. Já a vi pasma de admiração em muitos shows, de covers…

  • Filmes,  Indicações

    O Olmo e a Gaivota, de Petra Costa

    Se você gostou do documentário Democracia em Vertigem, que já recomendamos nessa newsletter, não deixe de conferir O Olmo e a Gaivota, o filme anterior da diretora Petra Costa, que entra para o catálogo da Netflix nesse domingo. Talvez o menos diretamente pessoal de sua filmografia, ele trata da história de uma atriz, Olivia, que se prepara para encenar a peça A Gaivota, de Tchekov, quando descobri que está grávida. A partir daí tem que lidar com seus medos, a percepção sobre si, sobre seu corpo e sua vida. Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo, gênero e cinema e é feminista. http://estantedasala.com