• Discos,  Indicações

    Zimbru – “Divination”

    Minha recomendação da vez é uma “descoberta da semana” no Spotify, cujo algorítimo tantas vezes lê minha alma (e recorda da minha obsessão por cantoras). Senti uma conexão imediata pela música “Divination”, da banda romena Zimbru (custei a achar as letras!) Logo descobri o clipe surreal, dirigido pela Irina Alexiu: a protagonista tem um corpo bem realista, digamos, e usa camiseta do Hole! Eu já estava apegada aos “atores”, sentimento tão familiar de amigos imaginários ou guias espirituais que ajudam a atravessar a solitude do dia… quando assisto a “Dog Heaven” (ao vivo) e descubro que os quatro são ninguém menos do que os integrantes do grupo! (Teodora Retegan, Oana Pop, Andrei…

  • Indicações,  Seriados

    Fleabag

    Acho que sou desligada, porque até poucas semanas atrás eu nunca tinha ouvido falar de Phoebe Waller-Bridge ou de Fleabag. A descoberta veio do grupo de Telegram do Feito por Elas, em que encontrei um verdadeiro séquito de adoradores da atriz e roteirista e desde então vejo ela em toda parte, seja na referida série, seja em Killing Eve ou Bond 25 (ambos escritos por ela). Rendi-me e juntei-me ao coro dos fãs: é muito talento! Fleabag, disponível na Amazon Prime Video, conta a história de uma mulher de mesmo apelido que tenta não levar à falência o seu café, sempre vazio, lidar com o namorado (ou ex) grudento, a irmã com a vida aparentemente perfeita, o pai viúvo e ainda a sua…

  • Discos,  Indicações

    Ressignificar o climão na pista

    Letícia Novaes lançou uma versão remix do primeiro e icônico álbum de sua alter ego atual. Se Letrux em noite de climão me tirou de uma bad, as faixas revisitadas de Letrux em noite de pistinha consolidam pra mim novas perspectivas. Dado o impacto inicial de “Vai render” versão funk (!), uma narração bônus abre “Ninguém perguntou por você”, letra agora fora de ordem, carnavalizada. “Coisa banho de mar” e “Que estrago” poderiam ter os jogos de palavras e a melodia um pouco subvertidos, ainda assim é impossível estragar as faixas. “Puro disfarce” tem agora contornos mais profundos, lugar onde “a fossa dança e o gozo dói”. “Amoruim”, aquela que me fazia…

  • Indicações,  Livros

    Controle, de Natalia Borges Polesso

    Já se encontra em pré-venda pela Companhia das Letras o primeiro romance da escritora Natalia Borges Polesso. “Controle” parte da relação homoafetiva entre mulheres para refletir sobre as escolhas que precisam ser feitas ao longo da vida. Polesso ganhou o Prêmio Jabuti na categoria contos com “Amora”, em 2016. Camila VieiraJornalista, crítica, curadora e realizadora de cinema.

  • Indicações,  Livros

    Magra de Ruim, Sirlanney

    Pausa em minhas costumeiras indicações musicais pois preciso falar sobre a Sirlanney (aliás já falei no podcast, mas reforço aqui). O trabalho da ilustradora cearense me impactou muito neste tardio contato com o livro “Magra de Ruim”. Passando por temáticas da solidão ao empoderamento, as aquarelas metalinguísticas e muito livres me deixaram morta de vontade de voltar a desenhar, o que tenho feito. Com um erotismo pungente, Sy não tem vergonha de expor seus dramas e sua força. Stephania AmaralMestra em cinema de horror, revisora e aspirante à crítica de música no @discosdaste

  • Indicações,  Seriados

    Tuca & Bertie

    “Esse é o alarme que soa quando nenhuma mulher fala em voz alta por três minutos” – essa é uma das icônicas falas de uma das protagonistas, ao defender sua melhor amiga silenciada por um colega de trabalho. Dubladas pelas humoristas Tiffany Haddish e Ali Wong, Tuca & Bertie são duas garotas-pássaras de 30 anos vizinhas num apartamento na “Cidave”. O desenho criado por Lisa Hanawalt, também produtora de BoJack Horseman, me ganhou pela leveza na abordagem de temas triviais e algumas vezes pesados, como abuso velado, doenças e problemas em família. A série se tornou minha preferida entre as animações adultas recentes, por ter muita personalidade no traço, extrema criatividade, humor na…

  • Discos,  Indicações

    Tem Conserto, de Clarice Falcão

    Clarice Falcão voltou. A menina que começou cantando paixões um tanto quanto submissas e tragicômicas em Monomania (2013) e amadureceu na forma empoderada de lidar com dramas românticos em Problema Meu (2016), sem jamais perder a ironia. Tem Conserto (2019) inicia com uma aura bad, a julgar por “Minha Cabeça”, “Morrer Tanto”* e “Esvaziou”, cujo clipe meditativo (genérico) esvazia um pouco a tristeza do luto. Porém em meio ao choro, Clarice faz rir na sequência com as dançantes “Horizontalmente” (na real um depressivo caso de amor com a cama) e “Dia D” (ousado refrão de funk), lembrando “Hey DJ” da Xuxa nos tempos áureos em “CDJ”, link pra terminar de…

  • Indicações,  Seriados

    Olhos que Condenam

    O seriado Olhos que Condenam, de Ava DuVernay, trata da história ficcionalizada de cinco meninos negros presos por uma falsa acusação de estupro em 1989, em Nova York. O elenco é incrível e a recontagem dos acontecimentos é impressionante. Prepare-se para conhecer a vilã mais odiável que você pode ver em uma mídia audiovisual e pensar em como essa pessoa existe na vida real e representa todo um sistema de exclusão e racismo estrutural. A série é muito pesada e difícil de assistir, mas essencial, especialmente para quem é fã da diretora, uma vez que dialoga com seu trabalho anterior, A 13ª Emenda. Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social,…

  • Filmes,  Indicações

    Democracia em Vertigem

    A recomendação de hoje não poderia deixar de ser Democracia em Vertigem, documentário da Petra Costa que entrou para o catálogo da Netflix em mais de 190 países no dia 19. Petra descortina os acontecimentos políticos do Brasil dos últimos anos, usando uma narração em off e ponto de vista extremamente pessoal, ela conecta causa e efeito dos acontecimentos ao mesmo tempo em que se coloca nos momentos apresentados. Prepare-se para passar raiva tudo de novo. E para chorar também. Não só foi golpe como foi um golpe misógino e agora temos quatro anos de autoritarismo pela frente. Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo, gênero e cinema…

  • Discos,  Indicações

    Electra, de Alice Caymmi

    Depois de me arrebatar pela primeira vez com o hit “Sozinha” (que chegou na minha história na hora exata), Alice Caymmi retorna com o álbum “ELECTRA” (disponível no Spotify, etc..). A vibe é tensa, dramática (ADORO), oposta aos beats eletrônicos e empoderados do batidão neon – também interessante – do trabalho anterior, Alice pega no samba denso e pianos introspectivos (animando um pouco mais só ao final) em regravações como “De qualquer maneira” na bela e melancólica introdução, passando de Maysa (Diplomacia, 1958) a Letuce (Areia Fina, 2012 – lembrando que “tudo que é perfeito dá defeito cedo ou tarde”) (@discosdaste) Videoclipe (vertical) de “Diplomacia”, de Alice Caymmi. Stephania AmaralMestra em cinema de…