Entrevistas

Entrevista com Maryam Touzani, diretora de Adam

Nesse dia 14 de novembro chegou aos cinemas o filme Adam, trabalho de estreia em loga metragem da diretora marroquina Maryam Touzani, que também o roteirizou. O filme mostra Abla (Lubna Azabal), uma mulher viúva que tem uma padaria em Casablanca e mora com sua filha Warda (Douae Belkhaouda), de oito anos. É quando a chegada de uma jovem grávida, Samia (Nisrin Erradi), que procura por emprego e moradia, altera a rotina de ambas. Samia passa a ajudar na confecção dos alimentos vendidos por Abla e a presença da pequena Warda diminui a tensão entre as duas mulheres.

A diretora passou a infância na sua cidade natal Tânger antes de ir para Londres. When They Slept (2012), seu primeiro curta, foi selecionado por muitos festivais estrangeiros prestigiados e recebeu 17 prêmios. Em 2015, seu segundo curta, Aya Goes to the Beach, continuou no mesmo caminho e ganhou prêmio do público em Cairo, ente outros. Ao lado do diretor Nabil Ayouch, Maryam trabalhou no desenvolvimento do roteiro e no set de Much Loved (2015). Ela também foi co-autora e uma das protagonistas no filme mais recente de Ayouch, Razzia (2017). Adam marca a estreia da cineasta na direção de longas.

Para essa entrevista, nós entramos em contato com a diretora por e-mail e ela enviou as respostas às nossas perguntas em áudio. Leia abaixo a transcrição traduzida da entrevista.

Conte para nós qual foi a sua inspiração para escrever o roteiro de Adam.

A história é inspirada em uma personagem real que eu conheci quando tinha cerca de 22 ou 23 anos, depois que voltei da universidade e passei alguns meses na casa dos meus pais. Um dia, uma jovem grávida veio bater à nossa porta. Ela não tinha para onde ir, tinha fugido de sua aldeia, seus pais não sabiam que ela estava grávida, ninguém sabia, na verdade, que ela estava grávida. E ela queria dar à luz e voltar à sua aldeia para tentar recomeçar uma nova vida. Meus pais não sabiam o que fazer porque ela era uma completa desconhecida e eles sabiam que se a deixassem ir, ela acabaria dando à luz na rua ou na prisão, porque se ela desse à luz em um hospital, [alguém] chamaria a polícia. Então eles decidiram mantê-la em casa e tentaram ajudá-la a encontrar uma solução. Mas eles perceberam muito rapidamente que não havia solução. Então ela acabou ficando conosco até o momento em que deu à luz e deu a criança para adoção. Na verdade, eu fui com ela dar a criança para adoção. Fiquei muito, muito emocionada com a experiência dessa mulher, porque vi que ela estava tentando se convencer de que não estava se importando porque sabia que não tinha o direito de amá-lo, sabia que não tinha o direito de mantê-lo, porque a sociedade estava decidindo outra coisa em seu lugar. E eu… quero dizer, vi a dor dela quando essa criança nasceu, quando ela foi posta cara a cara com essa criança, quando seu instinto materno despertou, seu amor por essa criança despertou e, é claro, era mais forte do que qualquer coisa, porque acho que o amor de uma mãe é algo que é tão, mas tão forte, que é quase indescritível. Então, como eu disse, essa experiência me comoveu profundamente, embora eu nunca mais a tenha visto. Ela foi embora, voltou alguns anos depois para pegar algumas fotos da casa dos meus pais, algumas fotos que ouvi dizer que eles tiraram com a criança dela. Mas nunca mais a vi, até hoje. Não sei onde ela está, não sei o que ela se tornou. Quando engravidei da minha primeira criança, que agora tem 2 anos e meio, e quando comecei a sentir a criança se movendo dentro de mim, quando comecei a me tornar mãe, percebi o quão violento, terrivelmente violento, isso deve ter sido para ela e me vi pensando nela constantemente, o tempo todo. Do sacrifício que ela teve que fazer porque sabia que não poderia mantê-lo, porque, como eu disse, a sociedade não estava permitindo que ela o mantivesse. Ela sabia que com ela, ele não tinha futuro e que nem ela teria futuro se o mantivesse. Então, era realmente muito difícil perceber, enquanto eu me tornava mãe, que outra mulher naquela posição tinha que desistir do filho que ela estava carregando por não ter permissão para mantê-lo. Então, como eu disse, eu pensava nela o tempo todo e essa violência agitava algo muito forte dentro de mim e eu comecei a escrever. Comecei a escrever naturalmente a personagem dela e a história nasceu. Sua personagem veio a se confundir também com as coisas que experimentei em minha vida desde que nos conhecemos. Minha própria experiência com a morte, minha própria experiência com a perda, com a dor e, assim, o personagem de Abla também nasceu. E eu realmente não pensei muito logicamente sobre o que estava escrevendo, até perceber que essas duas personagens estavam tomando forma e pelas razões que eu disse antes. Mas, de qualquer modo, é um roteiro que comecei a escrever instintivamente, era algo que eu não conseguia parar de fazer, era uma necessidade, era uma urgência que eu sentia de contar essa história.

Ser mãe solo no Marrocos hoje é a pior coisa que pode acontecer a uma mulher

Quais são as implicações, hoje em dia, de ser mãe solo no Marrocos e por que você escolheu a maternidade como a conexão inicial entre as duas protagonistas?

Ser mãe solo no Marrocos hoje é a pior coisa que pode acontecer a uma mulher. Existe um estigma enorme em experienciar algo assim. A maioria das mães solo será rejeitada, serão expulsas por suas famílias, completamente desonradas pela sociedade e é extremamente, extremamente difícil para mulheres assim poderem ganhar a vida, sobreviver e dar um futuro à criança que elas estão trazendo para este mundo. Portanto, é extremamente complicado e isso ocorre em todas as esferas sociais. Não é mais fácil se você é de uma família mais privilegiada, por exemplo. Mesmo se você for uma mulher independente, digamos, por exemplo, que você é advogada ou médica ou você… você sabe o que quero dizer, se você for o tipo de mulher que pode se sustentar e ser independente financeiramente e não depender de sua família. Mesmo uma mulher em tal situação não será capaz de ter um filho sozinha. Eu pessoalmente não conheço nenhuma mãe solo que tenha feito essa escolha, de ter um filho fora do casamento. Portanto, é extremamente, extremamente complicado para uma mulher viver essa situação. E basicamente, ao ter um filho fora do casamento, você está em uma situação ilegal, porque sexo fora do casamento é ilegal e ter um filho fora do casamento significa, obviamente, que você teve relações sexuais fora do casamento. Essa é a prova de que você está fazendo sexo fora do casamento. Então, um juiz pode decidir se ele vai mandá-la para a prisão ou não, sabe? Não depende de você, você está à mercê de outra pessoa. Eles podem decidir o que farão com você porque você teve essa criança. Então é extremamente complicado, como eu disse. É por isso que muitas… a maioria das mães solo acaba em situações terríveis, muitas vezes desistindo de sua criança de maneiras que não são as melhores para ela, em mercados ilegais ou abandonando a criança… tantas crianças são encontradas em latas de lixo todos os anos, uma quantidade terrível, terrível. Muitas mulheres vão dar à luz na rua porque têm medo de ir ao hospital. Portanto, é realmente uma situação terrível que as mulheres de hoje ainda estão enfrentando no Marrocos em relação a ter um filho fora do casamento. E para responder à segunda parte da sua pergunta, escolhi a maternidade como ponto de partida porque acredito que a maternidade cria um vínculo real entre essas duas mulheres. Abla é uma mulher que decidiu inconscientemente ou conscientemente, dependendo de como você interpreta, afastar-se da vida, afastar-se da filha. E, nesse sentido, tenta reprimir seu instinto maternal. Ela cuida da filha, trabalha para a filha, mas tentou emocionalmente apagar qualquer vínculo com a filha, porque tem muito medo das emoções que já a fizeram sofrer. Então ela decidiu apagar qualquer coisa que traga de volta a dor de sua perda. E nesse sentido, ela tem uma maternidade para redescobrir e com Samia, que está chegando em sua casa e está descobrindo sua própria maternidade, ela será colocada cara a cara com a criança que ela já tem há oito anos. E ela terá que enfrentar seus próprios sentimentos e sua própria maternidade. Então, a mulher que chega à casa dela prestes a dar à luz vai colocá-la cara a cara consigo mesma e com a filha. E é por isso que para mim isso é importante, porque há um lado da mulher que está descobrindo a maternidade pela primeira vez e há uma mulher que está redescobrindo sua própria maternidade. E para mim, também como mulher, como pessoa que escreveu grávida, eu escrevi o filme com a descoberta da minha própria maternidade e, por meio da progressão da minha maternidade, era importante para mim que a abordagem que essas mulheres fizessem uma da outra ocorresse através disso, porque eu acho, também, que essa é uma das expressões mais poderosas da vida: a maternidade e suas implicações e o que ela ensina sobre a vida, o que ensina sobre muitas coisas e como isso nos coloca frente a frente com coisas essenciais.

As mulheres geralmente são responsáveis pela alimentação em muitos lugares e culturas, incluindo o Brasil. O que você pode nos dizer sobre o contexto de fazer comida como forma de se sustentar no Marrocos?

Ah, sim, fazer comida é algo geralmente muito feminino no Marrocos e geralmente é nas casas das famílias onde as mulheres fazem comida, porque elas estão cozinhando para suas famílias e isso é uma coisa tradicional, como em muitos países e, como você disse, em muitas culturas, também como no Brasil. Mas há também uma cultura de comida tradicional que é mantida viva, mantida por essas mulheres, você sabe. Elas são de certa forma as que mantêm muitas tradições culinárias vivas. E essa é também uma das razões pelas quais eu falo sobre essa coisa que eles fazem, esse rziza, o doce que eles fazem no filme. É um doce feito por mulheres, sempre foi feito por mulheres. Todos os doces são geralmente feitos por mulheres, de qualquer maneira. São conhecidos por serem coisas de mulher, não são coisas de homem. É uma arte de mulher em certo sentido. E essa arte de fazer rziza está sendo perdida, é uma tradição que está sendo perdida porque é uma massa que leva muito tempo [para fazer] e as pessoas não têm mais tempo, as pessoas estão sempre correndo. E acho que é muito triste que também estamos perdendo coisas assim em nossa cultura, porque no fim do dia faz parte de quem somos, faz parte de nossa identidade. E quando eu estava filmando Adam, percebi que você dificilmente consegue encontrar lugares que tenham rziza. Quero dizer, essa foi uma das razões pelas quais incluí rziza neste filme. Mas eu percebi o quão terrível era porque é trágico que você dificilmente consegue encontrar lugares que vendem rziza porque as pessoas não têm mais tempo para fazer. E o que eles fazem é comprar máquinas que produzem uma espécie de rziza, que parece rziza, mas não tem o mesmo sabor, não parece o mesmo. O mesmo acontece com a passagem desta arte, desta arte culinária, de geração em geração, que está sendo perdida. E isso era algo que eu queria celebrar, porque acho que é algo muito bonito e é algo que deve ser mantido vivo. E sim, voltando ao que você estava dizendo antes, toda a comida tradicional no Marrocos é feita por mulheres. Elas estão mantendo essa tradição viva.

Sendo este o seu primeiro longa-metragem, qual foi o seu maior desafio?

Para mim, foi manter a linha artística ao longo do filme, porque é um filme em que quase tudo acontece a portas fechadas, exceto por essa janela que se abre para o mundo a partir da loja dela. Ter luz e cor acompanhando a evolução das personagens nesse espaço fechado foi um verdadeiro desafio, porque quando você não tem muito diálogo (e era meu desejo não ter muito diálogo) e você tem que encontrar outras maneiras de ver as coisas, nem sempre é… pode ser bastante desafiador. Quero dizer, eu sabia exatamente o que queria e as escolhas que fiz, por ter, como disse, pouco diálogo, para mantê-las no espaço interno, porque também queria me concentrar no interior delas. Então, eu queria ser realmente capaz de mergulhar sob suas peles e mergulhar em seus seres interiores por meio da imagem e poder prestar atenção aos mínimos detalhes, coisas que geralmente não veríamos. E por isso é bastante desafiador. Além disso, quando você está filmando assim, faz parte de uma equipe e está dentro deste pequeno espaço dia após dia, há outros desafios que chegam. Mas foi uma experiência muito bonita ter esse concentré, essa condensação de emoções nesse pequeno espaço e poder dar a elas… vê-las se materializando em si mesmas. Então sim, ser capaz de fazer da maneira que eu imaginava era, é claro, para mim, o maior desafio. E como eu disse, ser capaz de manter, também, a superfície [da imagem] que eu havia imaginado através do filme, através da luz, através da cor, porque a escolha da cor era muito importante para mim. Sou muito inspirada pelas pinturas de Caravaggio, de Vermeer, Georges de la Tour (…) E tudo isso tinha que ser capaz de se manter durante todo o filme e fazer a história avançar, fazer os personagens evoluírem. Então, sim, acho que esse foi o meu principal desafio e, como você disse, é o primeiro filme. Primeiros filmes são sempre muito desafiadores porque sempre existem muitas coisas que você acaba descobrindo enquanto está fazendo; portanto, é um grande desafio de qualquer forma, o primeiro filme. Mas é uma experiência muito bonita e enriquecedora também. Foi, para mim.

Para mim, Adam é muito um filme sobre esperança. É um filme sobre esperança e solidariedade feminina, é um filme sobre esperança e o que podemos ser se permanecermos juntas

Qual a sua opinião sobre o impacto do cinema como mídia e a maneira como Adam afeta pessoas, especialmente mulheres, em todo o mundo?

Eu acho que o cinema pode ser extremamente poderoso. Eu acho que o cinema pode realmente mudar a percepção das pessoas e acho que o impacto de um filme pode ser enorme, no sentido de que, se você mudar a percepção das pessoas, poderá provocar mudanças enormes na sociedade, até mesmo em termos da lei. Não sei, estava pensando em minha sociedade, em particular. Eu acho que às vezes as leis mudam da maneira que queremos, mas na maioria das vezes não mudam da forma que queremos que elas mudem: elas mudam muito lentamente. O que eu acho mais importante é que as mentalidades das pessoas mudem, que a maneira como elas observam mude, que suas percepções dos outros mudem. E acho que se isso mudar, as leis necessariamente seguirão, porque não há outra opção. As leis precisam evoluir uma vez que a percepção de uma sociedade muda. E eu acho que este é um lugar onde o filme tem… ou os filmes têm um papel real a desempenhar, porque se um filme pode tocar o coração das pessoas, pode mudar sua percepção, acho que pode realmente contribuir posteriormente para instigar uma mudança social ou contribuir positiva e ativamente para a mudança social. Eu acho que quando você assiste a um filme, é muito diferente, por exemplo, de quando você lê coisas, estatísticas, notícias. Quando você assiste a um filme e fica dentro do corpo do personagem, dentro de sua alma por uma hora e meia ou duas horas e experimenta o que eles experimentam, seja sua tristeza ou luto ou dor, ou sua alegria, você experiencia o que é ser essa pessoa por um certo período de tempo. Eu acho que é uma experiência que pode mudar você completamente. Então eu acho que, para mim, por exemplo, uma pessoa que pode assistir a um filme como Adam, ela [pode] realmente se conectar com as personagens, com Samia e Abla, e com o que essas mulheres estão experimentando. Eu acho que isso pode ajudar a mudar a percepção, você sabe, e contribuir, como eu disse. Estou falando, é claro, de Marrocos, neste caso. No final das contas, existem sociedades em que a pressão social é enorme e é essa a principal inibição e o maior obstáculo para muitas mulheres. Então, acho que o filme pode realmente contribuir, provocando essa mudança. Também espero que Adam dê a certas mulheres esperança de mudança, que elas acreditem que têm o poder em suas mãos para mudar seu próprio destino. Que as mulheres, por exemplo, na situação de Samia, possam dizer a si mesmas que elas talvez tenham força para enfrentar sua sociedade, enfrentá-la e lutar, para continuar a luta. Para mim, Adam é muito um filme sobre esperança. É um filme sobre esperança e solidariedade feminina, é um filme sobre esperança e o que podemos ser se permanecermos juntas. E também é um filme sobre esperança, ponto. É sobre esperança e humanidade, e a humanidade que cada um de nós, seja homem ou mulher, que se olharmos profundamente em nossos corações, sempre podemos encontrar o que é preciso para seguir em frente, avançar, avançar juntos e para ajudar aos outros também.

Acho que me inspirei muito na literatura que li, que ainda amo ler, na arte em geral, na pintura, mas sobretudo na realidade, na realidade que experimento todos os dias, nas coisas que eu vivo, nas pessoas que vejo ao meu redor

O que inspirou você a se tornar uma cineasta?

O que me inspirou a me tornar cineasta é algo que eu preciso: a necessidade de contar histórias, contar minhas histórias, que também são histórias de outras pessoas, que são inspiradas pelas pessoas que eu conheço, pelas pessoas que me emocionam, as pessoas que me afetam, que sinto que quero dar uma voz. Eu vi isso no trabalho de Nabil Ayouch, que é um dos cineastas que eu mais admiro e cujo trabalho foi uma verdadeira inspiração para mim. Eu vi isso na maneira como ele aborda a sociedade, sua análise, que é sempre muito, muito sincera, muito pessoal, e acho isso muito bonito. Por isso, sou inspirada por cineastas como ele, entre outros e, como disse, pela necessidade de dar voz às histórias. E para mim, eu sempre fui uma pessoa muito literária, adoro ler, adoro escrever, adoro poesia, adoro pintar e sempre houve algo que para mim naturalmente se uniu por meio da palavra e da imagem. Por meio, como eu disse, das pinturas… dos pintores e das pinturas que eu conheci, eu mesma pintando, por meio dos livros que li, por meio, dessa forma, de ser capaz de transformar algo que é imaginário em algo concreto, em algo visual. Acho que me inspirei muito na literatura que li, que ainda amo ler, na arte em geral, na pintura, mas sobretudo na realidade, na realidade que experimento todos os dias, nas coisas que eu vivo, nas pessoas que vejo ao meu redor. Eu sou muito sensível. Minha cidade, por exemplo, Casablanca, eu acho uma cidade extremamente, extremamente inspiradora, cheia de contradições. É linda, mas violenta. É difícil, há muita desigualdade, há muita… não sei, há uma enorme… há muitas contradições. E todas as coisas bonitas que ela tem, e todas as coisas que são menos bonitas, apenas a tornam um lugar tão belo de inspiração. E eu apenas… me sinto abençoada por morar em um lugar como Casablanca e sentir que posso estar de frente com o que estou sentindo por dentro e com histórias que quero contar, sabe, com as coisas que estou experienciando na minha vida cotidiana. Então, sim, para mim tudo isso é uma inspiração.

Compartilhe
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *