• Podcasts

    Feito por Elas #166 Pachinko

    Esse podcast é sobre o seriado Pachinko, criado por Soo Hugh, adaptado do livro de mesmo nome de Min Jin Lee e disponível no streaming AppleTV+. Conversamos sobre os temas da obra, como imperialismo, fé, amor e culpa; além das diferenças e semelhanças entre o livro e a série. O programa é apresentado por Camila Vieira e Rosana Íris. Feedback: contato@feitoporelas.com.br Feito Por Elas #166 Pachinko Feed | Facebook | Twitter | Instagram | Letterboxd | Telegram Pesquisa, pauta e roteiro: Camila Vieira e Rosana Íris. Produção: Isabel Wittmann Edição: Domenica Mendes Arte da capa: Isabel Wittmann Vinheta: Felipe Ayres Locução da vinheta: Deborah Garcia (deh.gbf@gmail.com) Música de encerramento: Bad Ideas…

  • Notícias

    Adele Haenel anuncia afastamento da indústria do cinema

    Em entrevista para a revista alemã FAQ, a atriz francesa Adele Haenel anunciou que vai deixar a indústria do cinema. “Não faço mais filmes. Por razões políticas”, ela explicou. “Porque a indústria cinematográfica é absolutamente reacionária, racista e patriarcal. Nós estamos nos enganando se dissermos que os poderosos são de boa vontade, que o mundo está de fato se movendo na direção certa sob sua boa e às vezes inábil gestão. De jeito nenhum. A única coisa que move a sociedade estruturalmente é a luta social. E parece-me que, no meu caso, sair é lutar. Ao deixar esta indústria de vez, quero participar de outro mundo, de outro cinema”, afirma…

  • Podcasts

    Feito por Elas #165 Mulheres: Uma Outra História

    Esse podcast é sobre os seis curtas-metragens brasileiros realizados por mulheres e programados esse mês na plataforma de streaming Another Screen, da revista feminista britânica Another Gaze. Em parceria com o site Cinelimite, a plataforma exibe esse programa nomeado Mulheres: Uma Outra História, que fica disponível até 24 de maio. Com um recorte histórico do nosso cinema, a plataforma disponibiliza os seguintes curtas: Creche-Lar (1978), de Maria Luiza d’Aboim; Trabalhadoras Metalúrgicas (1978), de Olga Futemma e Renato Tapajós; Mulheres da Boca (1982), de Inês Castilho e Cida Aidar; Sulanca (1986), de Katia Mesel; Mulheres: Uma Outra História (1988) e Amores de Rua (1994), ambos de Eunice Gutman. O programa é…

  • Filmes,  Indicações

    Jane Fonda em Cinco Atos e a filmografia de Jane Fonda

    Inúmeras vezes rolaram indicações do seriado Grace e Frankie (Grace and Frankie, 2015-2022) nessa newsletter, mas eu confesso que não vi nada das duas últimas temporadas e não sei se vou dar play no desfecho. Mas de qualquer forma simpatizo demais com essas duas protagonistas. Aí esses dias eu assisti ao documentário Jane Fonda em Cinco Atos (Jane Fonda in Five Acts, 2018), dirigido por Susan Lacy, que está na HBO Max. Claro que eu já conhecia a história do envolvimento da atriz com o movimento contrário à guerra do Vietnã (bem abordado, inclusive, no podcast You Must Remember This e no canal Be Kind Rewind, que eu também não canso de indicar). Conhecia, também, desde criança, as famosas fitas de ginástica. Mas…

  • Podcasts

    Feito por Elas #164 Pequena Mamãe

    Nesse podcast conversamos sobre Pequena Mamãe (Petite Maman, 2021), mais recente filme de Céline Sciamma, que estreou na competição do 71º Festival de Berlim, venceu o prêmio de público no Festival de San Sebastian e agora está disponível em streaming pelo Prime Video. Abordamos o luto, a relação mãe e filha e também a grandiosidade de filmes com crianças nesta nova obra da diretora de Retrato de Uma Jovem em Chamas. O programa é apresentado por Camila Vieira e Rosana Íris. Feedback: contato@feitoporelas.com.br Feed | Facebook | Twitter | Instagram | Letterboxd | Telegram Pesquisa, pauta e roteiro: Camila Vieira e Rosana Íris. Produção: Isabel Wittmann Edição: Domenica Mendes Arte da…

  • Blogs,  Filmes,  Isabel Wittmann,  Livros

    Corpo, sexo e máquina

    “Fisiologicamente, no uso normal da tecnologia (ou seja, de seu corpo em extensão vária), o homem é perpetuamente modificado por ela, mas em compensação sempre encontra novos meios de modificá-la. É como se o homem se tornasse o órgão sexual do mundo da máquina, como a abelha do mundo das plantas, fecundando-o e permitindo o evolver de formas sempre novas. O mundo da máquina corresponde ao amor do homem atendendo a suas vontades e desejos, ou seja, provendo-o de riqueza. Um dos méritos da pesquisa motivacional foi o da revelação da relação entre o Sexo e o carro”MCLUHAN, Marshall. Os Meios de Comunicação Como Extensão do Homem Filmes: Crash –…

  • Blogs,  Cinema,  Isabel Wittmann,  Livros

    Metropolis

    “A montagem de olhos masculinos olhando para a falsa Maria quando ela sai de seu caldeirão e começa a se despir, ilustra como o olhar masculino de fato constitui o corpo feminino na tela. É como se estivéssemos presenciando a segunda criação pública do robô, sua carne, pele e corpo não apenas sendo revelados, mas constituídos pelo desejo da visão masculina” HUYSSEN, Andreas. The Vamp and the Machine: Technology and Sexuality in Fritz Lang’s Metropolis, tradução minha.

  • Podcasts

    Feito por Elas #163 Bridgerton

    Neste podcast conversamos sobre o seriado Bridgerton (2020-), produzido por Shonda Rhimes, adaptado da série de livros de Julia Quinn. Conversamos sobre literatura romântica, as alterações na adaptação da obra, nossas preferências entre as duas temporadas e a abordagem do erotismo, entre outros assuntos. O programa é apresentado por Isabel Wittmann e Rosana Íris com a convidada especial Carissa Vieira, do Canal Carissa Vieira e do Biscoiteras. Feito por Elas · Feito por Elas #163 Bridgerton Feed | Facebook | Twitter | Instagram | Letterboxd | Telegram Pesquisa, pauta e roteiro: Isabel Wittmann, Rosana Íris e Carissa Vieira Produção: Isabel Wittmann Edição: Domenica Mendes Arte da capa: Isabel Wittmann Vinheta: Felipe…

  • Blogs,  Cinema,  Isabel Wittmann

    Retrato de uma Jovem em Chamas e Teresa de Lauretis

    Heloïse: Quando você me olha, quem você acha que eu estou olhando?Retrato de uma Jovem em Chamas (Portrait de la Jeune Fille en Feu, 2019), dirigido por Céline Sciamma “O projeto do cinema feminista, portanto, não é tanto ‘tornar visível o invisível’, como diz o ditado, ou destruir a visão por completo, mas construir outro (objeto de) visão e as condições de visibilidade para um sujeito social diferente” (LAURETIS, Teresa de. Alice Doesn’t, 1984, p.67, tradução minha).

  • Blogs,  Críticas,  Filmes,  Indicações,  Isabel Wittmann

    Tampopo, cinema e sabores

    Bora começar falando de coisa boa? Comida! Eu amo comida! Amo sovar uma massa e ver ela crescer com paciência para virar um pão ou pizza. Amo preparar um ganache e abrir uma massa de torta para montá-la. Amo bater um bolinho rápido, que perfuma a casa, quando chega uma visita. Amo especialmente os aromas: aquele das especiarias espalhando pelo ambiente, especialmente quando aquecidas na frigideira; de legumes assando com ervas; de cebola e alho fritando; do dendê na panela no preparo de uma moqueca. Enfim, sou da cozinha, sou dos aromas e dos sabores. Mas mais que tudo, gosto de comer. Comida boa é algo imensamente prazeroso e não raro lugares e memórias…