• Discos,  Indicações

    Such Pretty Forks in the Road, de Alanis Morissette

    Acompanho a Alanis mais propriamente desde o Acústico MTV em 1999 (pra ser honesta antes disso só tinha visto videoclipes) e sou muito fã do álbum Supposed Former Infatuation Junkie, do ano anterior. Depois disso tentei ouvir uma coisa ou outra mas parei de acompanhar :/ e tive uma grata surpresa agora com Such Pretty Forks in the Road (2020), nono álbum de estúdio da cantora, lançado em julho depois de um hiato de oito anos! Alanis volta com uma alegria bem vinda – e muito glitter – em tempos tenebrosos, em “Smiling” e “Reasons I Drink” e segue firme passando pela ótima – e mais catártica “Reckoning” – até…

  • Discos,  Indicações

    Lhasa de Sela (1972-2010)

    Nascida em Nova York, filha de um professor mexicano e de uma fotógrafa americana, Lhasa de Sela (1972-2010) teve uma infância bastante nômade e uma vida adulta no Canadá – suas canções em inglês, espanhol e francês refletem essas vivências. A cantora gravou três álbuns de estúdio, La Llorona (1997), The Living Road (2003) e o homônimo Lhasa (2009), lançado meses antes de sua morte aos 37, na virada do ano, após lutar contra um câncer de mama. Estou muito impactada pela “coincidência” que me levou a esse álbum: vou lembrar por um bom tempo do pole dance caseiro e efêmero da Clara Averbuck ao som de ‘Love Came Here’,…

  • Discos,  Indicações

    All Mirrors, de Angel Olsen

    Pra quem não conhece ainda, fica a dica para ouvir o excelente All Mirrors (2019), quarto – e melhor – álbum da cantora, guitarrista e compositora norte americana Angel Olsen. A moça faz juz ao nome com sua voz rouca angelical, mas bem versátil, cítrica em alguns momentos, combinando com o instrumental indie folk orquestrado. Recomendo especialmente as faixas Impasse, Tonight, Summer e Endgame, ato final em que a melancolia e a vibe lynchiana Twin Peaks crescem e atingem o ápice.  Stephania AmaralDoutoranda em cinema de horror, revisora e aspirante à crítica de música no @discosdaste

  • Discos,  Indicações

    Flaira Ferro Virada na Jiraya

    As letras (que cutucam feridas certeiras) e as variações da voz de Flaira Ferro fazem ‘Virada na Jiraya‘ (2019) um disco extremamente autêntico. A cantora recifense homenageia suas antepassadas em ‘Faminta’, faz um coro feminino necessário com Sofia Freire, Ylana e Isaar em ‘Germinar’ (“dentro de nós acumulamos pesos cruéis”), entre violinos e batucadas condizentes com o poder da faixa. Apesar da insistência em melodias alegres, pois “uma cidade triste é fácil ser manipulada”, ela valoriza culturas e o que mais precisamos nesse momento, ‘Estudantes’ (“mesmo que o destino reserve um presidente adoecido e sem amor”). ‘Revólver’ (“no contra ataque da guerra: arte!”) lembra que “o frevo é o nosso…

  • Discos,  Indicações

    Fiona Apple, Fetch The Bolt Cutters

    Após oito anos, Fiona Apple volta com o visceral Fetch The Bolt Cutters. A bateria está mais presente aqui do que em qualquer outro trabalho anterior, tantas vezes se sobressaindo ao piano, ainda marcante como na introdutória I Want You To Love Me. Ela não perde a profundidade ao lidar com seus demônios de forma mais esportiva (Relay), ou mais leve, em montanhas russas entre o zen e o catártico (Rack of His). O clima é intimista, e como se abrisse a porta de sua casa, Fiona mantém palavrões, gemidos, barulhos de coisas caindo e latidos de sua cachorra (especialmente na faixa título), a voz de sua irmã enquanto amamenta (Newspaper, pra mim a…

  • Discos,  Indicações

    Letrux aos Prantos

    É o fim do climão. É o início dilma nova era letruxiana. Letrux aos Prantos é o novo trabalho da musa Letícia Novaes e sua trupe. Se Climão é fogo, sagitariano (pelo menos no ascendente, né possível), Aos Prantos é pura água, banho de mar, pisciano, deixa fluir, deixa brotar. Menos festinha e mais lágrimas, até porque “o país não colabora”. Como um comentário do YouTube bem definiu: “Parece uma massagem. Dói, mas ajuda a relaxar” (MATOS, Phelipe). Letrux os Prantos secou meu choro com os travas línguas afiados de sempre (CopaBacana / BotaFOGO) e um revival (ou melhor, um Déjà-vu) a la Letuce, sintonizada em uma rádio AM com alguns abalos sísmicos…

  • Discos,  Indicações

    PJ Harvey

    Fiz uma playlist no Spotify com as recomendações musicais da newsletter do Feito por Elas até agora e me deparei com este absurdo: minha cantora preferida não tinha aparecido por aqui ainda! Quem me conhece um pouco sabe que PJ Harvey é minha diva absoluta… Quem ainda não conhece o rico trabalho dela, sugiro começar por Stories from the City, Stories from the Sea, o álbum mais impecável e acessível, seguido pelo visceral To Bring You My Love, no qual ela canta dores profundas. O início da carreira (Dry e Rid of Me) tinha guitarras mais sujas e composições mais cruas, em contraste com os mais introspectivos Is This Desire? e Uh Huh Her (uma espécie de retomada e despedida da porra-louca…

  • Discos,  Indicações

    The Archer, de Alexandra Savior

    Finalmente saiu o novo álbum da Alexandra Savior! <3 Eu já havia a recomendado anteriormente aqui e continuo completamente apaixonada pelas músicas doces e honestas da moça, angelical mas com uma certa desilusão melancólica que lhe dá força, expressa tanto nas letras quanto nas composições próprias. The Archer é um segundo álbum consistente e tão bem acabado quanto o anterior Belladonna of Sadness (2017), apesar da precocidade da cantora, que sabe muito sobre a vida em seus 20 e poucos anos. Com serenidade na voz (nas melodias sombrias nem tanto) ela exorciza promessas quebradas, a dor fantasma <The Phantom> de quem mergulha sozinho mas parou de chorar o tempo todo <Crying all the time> e de confiar na traidora “graça…

  • Discos,  Indicações

    TODXS, de Ana Cañas

    O que houve com Ana Cañas? A moça outrora com carinha (e melodias) doces se transformou em porta-voz de tantas bandeiras. Não vou falar de pink money nem de apropriação cultural aqui. Só sei que TODXS (2018) é o álbum mais consistente da carreira dela desde a estreia em Amor e Caos (2007) – e eu ouvi todos na tarde anterior ao show aqui em BH. Essa pegada soul, meio hip hop às vezes, o cover de ‘Eu Amo Você’ do Tim Maia, as letras fogo no patriarcado, tanta coragem que exala desde a capa, tudo encaixa muito bem com a nova imagem e postura libertária da cantora, topless no Rock in Rio.  Stephania AmaralDoutoranda…

  • Discos,  Indicações

    APKÁ!, de Céu

    Tenho ouvido bastante o APKÁ!, quinto álbum de estúdio da cantora e compositora paulista Céu, que eu acompanho desde o disco homônimo lançado em 2005 (com a famosa “Malemolência”). Este trabalho não supera o já clássico Vagarosa (2009) nem Tropix (2016), meu preferido, mas como sempre, traz uma sonoridade envolvente e letras marcantes cantadas pela voz doce e meio rouca, especialmente “Coreto” (clipe abaixo) e “Nada Irreal”.  Stephania AmaralDoutoranda em cinema de horror, revisora e aspirante à crítica de música no @discosdaste