Filmes

  • Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Toda Noite Estarei Lá

    Tati Franklin e Suellen Vasconcelos nem sempre mantém o foco na batalha contra a igreja, mas dão contornos interessantes com o retrato bastante humano de sua protagonista Mel Rosário contraria a expectativa de vida das pessoas trans no Brasil por muito, com quase 60 anos, um salão de beleza e uma crença muito forte em Deus, sua principal batalha além da diária para sobreviver, também como qualquer pessoa pobre no país, é contra a igreja evangélica do bairro que não permite sua entrada. Além dos protestos que a mulher faz todas as noites com cartazes na frente do local, um processo judicial corre há anos, e mesmo depois de perder,…

  • Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Copa 71 (2023)

    Texto publicado originalmente na newsletter para assinantes do financiamento coletivo do Feito por Elas. Para contribuir, assine aqui. Você já ouviu falar da Copa do Mundo de 1971 de Futebol Feminino? Não? Pois é, eu também não tinha. Foi com espanto que assisti ao documentário chamado Copa 71, dirigido por Rachel Ramsay e James Erskine, que relata os acontecimentos em torno do evento esportivo. Na época, futebol feminino era proibido em grande parte do mundo, incluindo no Brasil, onde só foi liberado em 1979. Isso significava que meninas e mulheres não poderiam jogar em clubes ou eventos oficiais, mas não queria dizer que não jogassem nas ruas ou em campos…

  • Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Furiosa (2024)

    Quando Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road, 2015) estreou, eu sabia que estava testemunhando algo único. Quase dez anos depois, nunca consegui externar em palavras todo o amor que senti pelo filme, que rapidamente tomou um posto entre meus preferidos da década e de lá nunca mais saiu. A narrativa frenética, estruturada em torno de uma grande corrida com ação (quase) ininterrupta, que por sua vez se divide em duas metades (ida e volta no mesmo trajeto), entrega intensidade sem precisar tirar tempo para contextualizar a história de suas protagonistas. E funciona de maneira fechada em si: não aparenta precisar de complementos para a compreensão de seus…

  • Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Pacto de Sangue, a femme fatale e a ambiguidade moral

    Texto publicado originalmente na newsletter para assinantes do financiamento coletivo do Feito por Elas. Para contribuir, assine aqui. Esses tempos eu revi Se Meu Apartamento Falasse (The Apartment, 1960), do Billy Wilder no cinema. E que filme perfeito, cada vez mais! Para meu último curso, Mulheres Protagonistas na Era de Ouro de Hollywood, acabei revendo também Crepúsculo dos Deuses (Sunset Boulevard, 1950) e Pacto de Sangue (Double Indemnity, 1944), ambos também do diretor e esse último, segundo o letterboxd, não via há quase 10 anos. E nas últimas semanas revi, ainda, Testemunha de Acusação (Witness for the Prosecution, 1957), que considero a melhor adaptação de Agatha Christie já feita. Dizer que Wilder é um gênio é chover no…

  • Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Love Lies Bleeding (2024)

    Texto publicado originalmente na newsletter para assinantes do financiamento coletivo do Feito por Elas. Para contribuir, assine aqui. A estreia no cinema da cineasta britânica Rose Glass no cinema se deu com o horror Saint Maud (sobre o qual temos um podcast), um estudo de personagem por meio de body horror. Seu novo filme Love Lies Bleeding, recentemente estrou nos cinemas. É comum que pessoas que trabalhem não só com horror, mas com cinema de gênero como um todo (sci-fi também, por exemplo), uma vez que adentrem nesse universo, se vejam presas lá, não saindo para a exploração de outros gêneros cinematográficos. E não que haja algo de errado em gostar e se ater especificamente a…

  • Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Rivais (Challangers, 2024)

    Texto publicado originalmente na newsletter para assinantes do financiamento coletivo do Feito por Elas. Para contribuir, assine aqui. Encontros e desencontros. Corpos e desejos. Rivais (Challengers, 2024), novo filme de Luca Guadagnino retrata seus três protagonistas em uma jornada de exploração sensorial, que transforma libido em competição. O roteiro intigante é de Justin Kuritzkes, também conhecido como o marido da cineasta Celine Song cujo alter-ego em Vidas Passadas (Past Lives, 2023) é interpretado por John Magaro (E ele já tem mais um filme engatilhado com o diretor depois desse). Eu sou uma apreciadora do cinema do cineasta italiano. Quando assisti a Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me By Your Name, 2017), escrevi: “Desde em Um Sonho de Amor, mas…

  • Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    La Chimera (2023)

    Atravessando mundos e fantasias para questionar o caráter sagrado do passado, Alice Rohrwacher parece trair seu discurso, mas ganha pelo encantamento. Enquanto sonha durante a travessia de trem, o inglês Arthur (Josh O’Connor) tem sua ligação com o mundo onírico, ou seja ele qual for, rompida bruscamente, enquanto ouve dizer que não saberá como aquela fantasia se encerra. É um prenúncio claro de que Alice Rohrwacher pretende ligar seu sonhador com seu objeto de desejo, utilizando todo o restante do filme como meio, um desenrolar em que dois pontos se conectarão inevitavelmente. Mas o humor de La Chimera faz co que até suas obviedades e clichês se tornem mais agradáveis,…

  • Cinema,  Filmes

    Ghostbusters: Apocalipse de Gelo

    Em um novo capítulo de velhas histórias, Ghostbusters: Apocalipse de Gelo traz os Caça-Fantasmas com uma nova formação, enfrentando um velho desafio, mas não consegue capturar totalmente a magia dos filmes originais. Em um enredo que mistura humor, terror e ficção científica, a produção tenta manter o espírito da franquia, mas acaba deixando a desejar em alguns aspectos ao mesmo tempo que surpreende em outros. A franquia sobrenatural celebra, em 2024, 40 anos. Entretanto, apesar da nostalgia que envolve os filmes anteriores, essaedição parece não se mover em relação aos filmes anteriores. Ao mesmo tempo que o filme surpreende de maneira possitiva com suas escolhas de arte (cenografia, CGI, design…

  • MANU SONHA COM ONCAS - Mostra Nacional
    Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Um dia, uma viagem cinematográfica por mundos encantados

    Posso comparar um dia no Festival Lanterna Mágica com uma jornada através de portais mágicos. Cada encontro, conversa, sessão… cada produção é um portal para um mundo novo e surpreendente. Na mostra competitiva deste ano, uma seleção eclética de obras me cativou e encantou, pois o trabalho da curadoria e programação ofereceu uma gama de perspectivas e experiências cinematográficas. Os filmes exibidos na programação do dia 22 de março foram: A sessão teve início com Quintal, dirigida por Mariana Netto, uma ode à natureza e à urbanidade. O filme nos transporta para um universo animado no qual o verde dos parques contrasta com a cinzenta paisagem urbana. Em um dia…

  • O CACTO DE RICARDO KUMP
    Cinema,  Críticas e indicações,  Filmes

    Visões e Metamorfoses: Um Dia no Festival Lanterna Mágica

    O segundo dia de cobertura do Festival Lanterna Mágica revelou-se uma jornada cinematográfica. Os curtas exibidos na Competitiva Nacional se destacaram pela riqueza em diversidade narrativa e técnica. entre os filmes exibidos tivemos muitas produções realizadas durante o período da pandemia de COVID-19, curtas universitários, realizados como projetos de conclusão de curso, bem como filmes que inicialmente foram pensados para ser no formato live-action. Como consequência dessa gama de possibilidades, a sessão do segundo dia de festival ofereceu ao público uma experiência imersiva e reflexiva através dos filmes exibidos e de suas inúmeras técnicas. Os filmes exibidos na programação do dia 20 de março foram: A sessão teve início com…