• Filmes,  Indicações

    Lemonade

    Aproveitando a indicação abaixo da Isa do Homecoming na Netflix, quero lembrá-los do maravilhoso álbum Lemonade (2016), que também tem um filme fantástico homônimo dirigido e estrelado/performado pela Beyoncé – na época eu, Isa, Kel e Renato (hoje time do Cinematório) até gravamos um podcast relacionado no Cinema em Cena. Esses dias a diva finalmente liberou o disco em várias plataformas de música online, como o Spotify. Eis abaixo uma amostra do longa musical com o clipe de “Sorry”, uma das faixas que mais me tocam – sempre arrepio toda e choro, tenho uma conexão muito forte com este trabalho!  Stephania AmaralPesquisa filmes realizados por mulheres, mas também é das…

  • Filmes,  Indicações

    Homecoming

    “Escrito, dirigido e produzido por Beyoncé Knowles”. O crédito final é um vislumbre do peso da artista no documentário. Homecoming é sobre seu show que foi a atração principal do festival Coachella em 2018. Beyoncé intercala as apresentações musicais do show com discursos de pensadoras, ativistas, escritoras e outras personalidades negras e cenas dos bastidores e dos preparativos. Ela, que foi a primeira artista negra a ser a atração principal, disse que seu sonho quando criança era estudar em uma universidade para pessoas negras, mas sua escola acabou sendo Destiny’s Child. Sua fascinação por competições de fanfarra a levaram ao tema do show. Além dos músicos, optou por trazer ao palco…

  • Filmes,  Indicações

    Queer Eye

    Não tenho assistido a muitos filmes nos últimos tempos, porque estou num momento tenso com a minha tese (quem me segue no twitter já deve ter percebido). Mas minha singela recomendação hoje, sem muitas palavras, é o reality show Queer Eye. Ele é uma versão revista do Queer Eye for the Straight Guy, que foi ao ar entre 2003 e 2007. Começou em 2018 e já tem três temporadas disponíveis na Netflix, cada uma melhor que a anterior. Trata-se daqueles programas de transformação: os protagonistas são cinco homens gays especialistas em atividades específicas. Bobby cuida da arquitetura e decoração, Tan das roupas e estilo, Jonathan cabelo e cuidados de beleza, Karamo da cultura (mas às vezes parece…

  • Filmes,  Indicações

    Absorvendo o Tabu

    Já fiz a recomendação no nosso twitter e vou reiterar nesse espaço: Absorvendo o Tabu (Period. End of Sentence, 2018), que venceu o Oscar de Melhor Documentário em Curta-Metragem, está disponível na Netflix. O filme é dirigido por Rayka Zehtabchi e produzido por ela e Melissa Berton. Elas abordam a situação de meninas no interior da Índia que muitas vezes precisam parar de estudar quando começam a menstruar e não têm acesso a absorventes e um grupo de mulheres que, em posse de uma máquina usada para fabricar esses absorventes, passa a ter uma fonte de renda e fornecer produtos acessíveis. O documentário seria interessante se focasse mais na questão…

  • Filmes,  Indicações

    Dumplin’

    O filme original da Netflix Dumplin’ (algo como “bolinho” em tradução livre) mostra a trajetória da adolescente Willowdean (Danielle Macdonald), uma menina gorda que recebe esse apelido de sua mãe, Rosie (Jennifer Aniston), uma ex-miss da sua cidade com quem tem um relacionamento conturbado. Will também sente falta de sua tia que faleceu e lhe apresentou Dolly Parton, cantora por quem a adolescente nutre admiração. O roteiro de Krinstin Hahn, baseado no livro de Julie Murphy, nem sempre parece saber para que lado levar a trama. Se por um lado tece uma crítica a padrões de beleza que estabelecem determinados corpos como adequados, por é conciliador com o próprio concurso de…

  • Filmes,  Indicações

    Alguém Tem Que Ceder

    Recentemente entrou para o catálogo da Netflix o filme Alguém Tem Que Ceder (Something’s Gotta Give, 2003), escrito e dirigido por Nancy Meyers. Nessa comédia romântica, Diane Keaton vive Erica Barry, uma escritora renomada que está às voltas com um homem rabugento, Harry Sanborn (interpretado por Jack Nicholson) e outro que admira profundamente seu trabalho, Julian Mercer (vivido por Keanu Reaves). Com momentos de ridículo e uma boa protagonista, o filme é uma boa pedida pro fim de semana. Aproveite e depois ouça nosso programa sobre a diretora, em que conversamos sobre ele. Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo, gênero e cinema e é feminista. http://estantedasala.com

  • Filmes,  Indicações

    Jane: a Mão dos Chimpanzés

    A dica de hoje na verdade eu já dei tanto no meu twitter quanto no grupo do Feito por Elas do Telegram, mas vou reforçar. Assista Jane: a Mãe dos Chimpanzés (Jane, 2017), de Brett Morgen! O documentário, montado com imagens inéditas descobertas em 2014, mostra o trabalho de Jane Goodall com chimpanzés, considerada a mais longa pesquisa contínua de animais em seu habitat. Jane é uma personagem absolutamente fascinante e uma profissional incrível. A maior parte das imagens foi realizada ainda na década de 1960 por Hugo Van Lawick, que foi encarregado pela National Geographic Society de registrar o trabalho dela. Considerado um dos melhores fotógrafos de natureza, Hugo filmou de perto cada etapa do trabalho…

  • Filmes,  Indicações

    Mais uma Chance (Private Life, 2018)

    Mais uma Chance (Private Life, 2018), escrito e dirigido pela estreante Tamara Jenkins, foi um dos filmes mais comentados do ano a serem lançados diretamente na Netflix. Protagonizado por Kathryn Hahn, sempre com atuações sólidas nos papeis que encarna, sua personagem é Rachel, uma escritora de quarenta e poucos anos decidida a ter uma criança com seu marido, Richard (Paul Giamatti). O fato é que essa gravidez nunca vem e ambos estão em meio a tratamentos caros de fertilização para os quais não tem dinheiro e um processo demorado de adoção, em que subitamente se vêm como pessoas inadequadas para a parentalidade. A rotina do casal se vê resumida a injeções, coletas de amostras, exames…

  • Filmes,  Indicações

    Feministas: O Que Elas estavam Pensando

    O documentário Feministas: O Que Elas estavam Pensando tem como ponto de partida um livro de fotografias feitas entre 1974 e 1977 com mulheres feministas diversas. Com uma exposição dessas fotos sendo preparada, a diretora Johanna Demetrakas reencontra algumas dessas mulheres para conversar sobre suas vivências pessoais e a década de 70. Algumas são famosas, como Jane Fonda, Lily Tomlin e Michelle Phillips, mas outras são pessoas comuns que estavam apenas em busca dos seus direitos. Identificadas com a 2ª onda do feminismo, muitas delas lutaram por suas carreiras, autonomia financeira, liberdade sexual, maternidade e direitos reprodutivos. A interseccionalização de gênero com raça e classe não era ainda uma pauta e o documentário aborda, também, os conflitos…

  • Filmes,  Indicações

    Paraíso Perdido

    De volta ao cinema desde Cavalinho Azul (1984), Erasmo Carlos surge em frente às cortinas iluminadas pelo neon e nos convida para esquecer quem somos e passar duas horas no cabaré Paraíso Perdido (2018),  filme escrito e dirigido pela cineasta Monique Gardenberg (também responsável por Benjamin(2003) – a menos terrível entre as adaptações dos livros do Chico Buarque), e agora disponível no serviço de streaming.Imã (vivida pelo cantor Jaloo) sofre agressões de intolerância na porta do local. Resta saber se o tratamento dado a ela pelo filme também não foi transfóbico, pois há uma necessidade de reforçar o gênero masculino da personagem que aos 20 anos se diz feliz. Fica evidente a hipocrisia e o preconceito do…