• Indicações,  Seriados

    Amor Moderno

    Amor Moderno é uma série adaptada de uma coluna do jornal The New York Times de mesmo nome. Em formato de antologia, em que cada episódio é uma história fechada em si, ela contém adaptações dessas narrativas que eram histórias de amor, mas não necessariamente amor romântico. Amizade, companheirismo, amor materno e paterno, parcerias de longa data, pessoas conhecidas há pouco tempo: diversas formas de ralações perpassam as tramas. Interpretadas por atores e atrizes conhecidos do público, nem todas as histórias são eficientes na mesma medida (e pelo menos uma é estranhíssima), mas aquelas que funcionam, o fazem muito bem, emocionando e engajando. Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo,…

  • Indicações,  Seriados

    The Crown

    A terceira temporada de The Crown já está disponível na Netflix. Centrado na vida da rainha da Inglaterra, Elizabeth II, o seriado voltou com elenco renovado, ou melhor, envelhecido, para acompanhar o avançar do tempo. Se nas duas primeiras temporadas ela era interpretada por Claire Foy, agora, com a história transcorrendo de 1964 até 1977, a atriz foi substituída pela ótima Olivia Colman, que não só interpreta a Madrinha na nossa amada série Fleabag como, recentemente, também encarnou a realeza no papel de Rainha Anne em A Favorita. A troca de atrizes conferiu mais maturidade à personagem e, por sua vez, os rumos da história tratam-na agora de maneira mais…

  • Indicações,  Seriados

    Watchmen

    Os aclamados quadrinhos Watchmen, de Alan Moore, lançados em 1985, sobre um grupo de super-heróis em uma versão alternativa de nossa história, tiveram uma adaptação para o cinema pra lá de controversa em 2009, com direção de Zack Snyder. Agora é a vez serem levados para a televisão, mas dessa vez com outros personagens. O seriado Watchmen se passa em 2019, em um presente alternativo que é consequência do desfecho do livro, em 1985 (e o filme foi ignorado nessa cronologia). Nesse mundo, com o fim da Guerra Fria, promovido pelo ataque de uma suposta lula alienígena que uniu os países, os Estados Unidos elegeram, nos anos 90, um presidente que promoveu reparação…

  • Indicações,  Seriados

    CRASHING, Phoebe pré Fleabag

    Bem que a Isa disse que valia a pena assistir a Crashing (2016-), disponível na Netflix. A série foi escrita e protagonizada pela Phoebe Waller-Bridge (Fleabag) – vulgo mulher do momento – que em breve terá um programa só pra ela! Em menos de uma semana eu vi e revi os curtos e bombásticos 6 episódios (“Phobe é econômica”) sobre uma turma que vive em um hospital desativado. Lulu, personagem da Phoebe, chega para desmoronar ainda mais o local que já está caindo aos pedaços (como indica o título) e as conexões entre os que ali vivem. Sam, Kate, Anthony, Melody, Colin e Fred são personagens interessantes e com curvas surpreendentes, todos com…

  • Indicações,  Seriados

    Pose

    Recentemente o catálogo da Netflix recebeu como acréscimo o seriado Pose, criado por Steven Canals, Brad Falchuk e Ryan Murphy, com episódios dirigidos por Gwyneth Horder-Payton,Tina Mabry, Janet Mock, entre outras. Trata-se de uma história que se passa nos bailes queer de Nova York em 1987, em que homens cisgênero gays, mulheres transgênero e drag queens participavam de competições em busca da melhor performance artística, com temas variados, geralmente de personificar determinados signos de status. O universo é o mesmo retratado no documentário Paris is Burning, dirigido por Jennie Livingston (que também dirigiu um episódio da série), sendo que ele já foi recomendado nesse espaço e está disponível no serviço de streaming. Um dos pontos fortes da série é o protagonismo diverso…

  • Indicações,  Seriados

    Transparent

    Transparent chegou ao seu fim. Eu já havia indicado o seriado em uma edição anterior da newsletter (o texto pode ser lido aqui) e confesso que não tive tempo ainda de ver esse finale. Masacompanhar a jornada dos Pfefferman tem sido de uma beleza agridoce: cada um em busca de seu auto-conhecimento e de seu lugar e todos do pertencimento que é a família. Criada por Jill Solloway, uma pessoa não-binária que escreve e dirige uma parte dos episódios, conta a história de Maura, uma mulher transgênero de 60 anos, sua ex-esposa Shelly, e os filhos Sarah, Josh e Ali. Essa última, muitas vezes lida como alter-ego de Jill, passa pela própria caminhada de…

  • Indicações,  Seriados

    Fleabag

    Acho que sou desligada, porque até poucas semanas atrás eu nunca tinha ouvido falar de Phoebe Waller-Bridge ou de Fleabag. A descoberta veio do grupo de Telegram do Feito por Elas, em que encontrei um verdadeiro séquito de adoradores da atriz e roteirista e desde então vejo ela em toda parte, seja na referida série, seja em Killing Eve ou Bond 25 (ambos escritos por ela). Rendi-me e juntei-me ao coro dos fãs: é muito talento! Fleabag, disponível na Amazon Prime Video, conta a história de uma mulher de mesmo apelido que tenta não levar à falência o seu café, sempre vazio, lidar com o namorado (ou ex) grudento, a irmã com a vida aparentemente perfeita, o pai viúvo e ainda a sua…

  • Indicações,  Seriados

    Tuca & Bertie

    “Esse é o alarme que soa quando nenhuma mulher fala em voz alta por três minutos” – essa é uma das icônicas falas de uma das protagonistas, ao defender sua melhor amiga silenciada por um colega de trabalho. Dubladas pelas humoristas Tiffany Haddish e Ali Wong, Tuca & Bertie são duas garotas-pássaras de 30 anos vizinhas num apartamento na “Cidave”. O desenho criado por Lisa Hanawalt, também produtora de BoJack Horseman, me ganhou pela leveza na abordagem de temas triviais e algumas vezes pesados, como abuso velado, doenças e problemas em família. A série se tornou minha preferida entre as animações adultas recentes, por ter muita personalidade no traço, extrema criatividade, humor na…

  • Indicações,  Seriados

    Olhos que Condenam

    O seriado Olhos que Condenam, de Ava DuVernay, trata da história ficcionalizada de cinco meninos negros presos por uma falsa acusação de estupro em 1989, em Nova York. O elenco é incrível e a recontagem dos acontecimentos é impressionante. Prepare-se para conhecer a vilã mais odiável que você pode ver em uma mídia audiovisual e pensar em como essa pessoa existe na vida real e representa todo um sistema de exclusão e racismo estrutural. A série é muito pesada e difícil de assistir, mas essencial, especialmente para quem é fã da diretora, uma vez que dialoga com seu trabalho anterior, A 13ª Emenda. Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social,…