• Podcasts

    Feito por Elas #163 Bridgerton

    Neste podcast conversamos sobre o seriado Bridgerton (2020-), produzido por Shonda Rhimes, adaptado da série de livros de Julia Quinn. Conversamos sobre literatura romântica, as alterações na adaptação da obra, nossas preferências entre as duas temporadas e a abordagem do erotismo, entre outros assuntos. O programa é apresentado por Isabel Wittmann e Rosana Íris com a convidada especial Carissa Vieira, do Canal Carissa Vieira e do Biscoiteras. Feito por Elas · Feito por Elas #163 Bridgerton Feed | Facebook | Twitter | Instagram | Letterboxd | Telegram Pesquisa, pauta e roteiro: Isabel Wittmann, Rosana Íris e Carissa Vieira Produção: Isabel Wittmann Edição: Domenica Mendes Arte da capa: Isabel Wittmann Vinheta: Felipe…

  • Podcasts

    Feito por Elas #160 A Filha Perdida

    Neste podcast conversamos sobre A Filha Perdida (The Lost Daughter, 2021), primeiro filme dirigido por Maggie Gyllenhall, que estreou na Netflix e está indicado ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (da própria cineasta), Atriz Coadjuvante (Jesse Buckley) e Atriz (Olivia Colman). Nessa transposição do livro de mesmo nome escrito por Elena Ferrante, vemos uma mulher que é mãe e professora, em suas férias, e as lembranças de seu passado relacionadas à infância de suas filhas. Conversamos sobre a relação entre ser mãe e o trabalho acadêmico, as cobranças sociais por uma maternidade romantizada e o trabalho de adaptação do roteiro e a direção. Também comentamos A Ilha de Bergman (Bergman…

  • Blogs,  Críticas,  Isabel Wittmann

    Missa da Meia-Noite

    A minissérie Missa da Meia Noite (Midnight Mass, 2021) deve ser o melhor trabalho do diretor Mike Flanagan. E também deve ser a maior quantidade de missa que vi em 20 anos. É interessante como estamos acostumados a ver o catolicismo, quando em contexto de narrativas de terror, vinculado principalmente a possessões demoníacas e exorcismos. Mas a premissa aqui parte da própria ritualística: e se o tomar o corpo e sangue na comunhão fosse mais real? Transformar o rito de canibalismo simbólico e sagrado em literal e profano. São muitas sequências que se passam em missas e a criação católica do cineasta transparece: não são caricatas, mas seguem a gestualidade,…

  • Filmes,  Indicações

    Moxie: Quando as Garotas Vao à Luta

    Para quem quer um filme levinho, a dica é a comédia teen Moxie: Quando as Garotas Vao à Luta (Moxie, 2021), dirigida por Amy Poehler e que chegou na Netflix. É a história de uma adolescente chamada Vivian (Hadley Robinson) que descobre que sua mãe (interpretada pela própria Amy Poehler) teve sua fase feminista-riot–grrrl. E então chega uma nova aluna na escola, Lucy (Alycia Pascual-Pena), e ela não foge de se posicionar e opinar sobre os assuntos. Com essas novas influências, Vivian resolve criar uma zine anônima que aborde os problemas, especialmente o machismo, com que se depara no ambiente escolar. O filme derrapa às vezes porque parece querer abarcar temas demais e se encanta com…

  • Indicações,  Seriados

    Faz de Conta que NY é uma Cidade

    Se tem um “homem cineasta” na ativa que mora no meu coração, esse é Martin Scorsese, nosso simpático velhinho do Up- Altas Aventuras. Tem filme que eu gosto mais, tem filme que eu gosto menos, mas estou sempre esperando o próximo. E aí veio essa notícia de que ele realizou uma minissérie que chegou à Netflix meio na surdina: Faz de Conta que NY é uma Cidade (Pretend It’s a City, 2021) e eu não posso deixar de recomendar, porque eu mesma só fiquei sabendo dela por um amigo. Trata-se de uma série de conversas dele com Fran Lebowitz, intercaladas com gravações de entrevistas televisivas e apresentações ao vivo. Além de amiga de longa data do…

  • Indicações,  Seriados

    Aggretsuko

    Fazia muito tempo que eu não assistia a um anime. O argumento de um amigo que me convenceu a ver Aggretsuko foi “é da Sanrio da Hello Kitty, é diferente, é sua cara”. E de fato me senti representada em muitos pontos por essa… raposinha? gatinha? panda (?!) e seus surtos death metal no karaokê. Berrar guturais incompreensíveis é a forma da bichinha de desabafar da rotina hostil em um ambiente de trabalho cheio de desafios e abusos (eu fazia algo bem semelhante quando era mais xovem). Mesmo não sendo um show impróprio para menores, os personagens – animais antropomorfizados muito fofinhos como as diretoras Gori e Washimi – bebem MUITO após…

  • Notícias

    Filmes dirigidos por mulheres para ver na Netflix

    Em meio a quarentena muitas pessoas pediram dicas de filmes que possam ver em plataformas de streaming. Como as opções são muitas, separamos para vocês filmes dirigidos por diretoras que já abordamos em nossos programas. Hoje listamos aqueles disponíveis na Netflix. Tem filme para todos os gostos! Segue a lista, todos com link direto para o filme: Mãe Só Há Uma (2016), de Anna Muylaert Feira das Vaidades (Vanity Fair, 2004), de Mira Nair Em Carne Viva (In the Cut, 2003), de Jane Campion O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending, 2015), de Lana e Lilly Wachowski As Vozes (The Voices, 2014), de Marjane Satrapi Califórnia (2015), de Marina Person O…

  • Indicações,  Seriados

    Eu nunca…

    Ao invés de colocar as demais séries em dia ou assistir algo das mil listas que faço, acabei pagando língua ao ver numa tacada só um seriado adolescente, que costumo ter preguiça (com exceção de Sex Education). Das criadoras Mindy Kaling e Lang Fisher, Eu Nunca…, disponível na Netflix, trata dos conflitos típicos de uma garotinha no ensino médio, mas rompe certos clichês e tem o diferencial de trazer elementos da cultura indiana e muitos personagens de diversas etnias, ainda que todos extremamente cheios da grana e outros com subjetividade pouco aprofundada, como as melhores amigas de Devi, Fabiola e Eleanor. Cômica e dramática em doses bem calculadas, passam rápido os 10…

  • Indicações,  Seriados

    Sex Education (segunda temporada)

    Já havia usado esse espaço para recomendar Sex Education, mas com a chegada da segunda temporada, volto a reforçar a dica (leia aqui o texto anterior). Criada por Laurie Nunn, a série segue abordando questões sobre sexualidade no ambiente escolar de uma forma bastante única. Otis, como o protagonista que também é o menino branco, héterossexual e cisgênero, continua sendo o personagem menos interessante, mas agora  a narrativa abriu espaço para outras vivências, como a bissexualidade, a lesbianidade e assexualidade, mas também a masturbação, ISTs, assédio sexual e outros assuntos, dando destaque para outros personagens. Os romances e dramas adolescentes continuam presentes, assim como as referências a Clube dos Cinco. A única pena é…