Blogs,  Críticas,  Isabel Wittmann

Cow

O quinto longa (e primeiro documentário) da cineasta Andrea Arnold, é, na verdade, um filme (quase) mudo de terror. Luma, a protagonista, é uma vaca leiteira em uma fazenda comum da Inglaterra. Um rápido google após o filme me informa que a expectativa de vida de uma vaca gira em torno de 20 anos, mas vacas leiteiras podem não chegar aos 8. A gestação é viável a partir dos 2 anos, mas algumas fontes defendem que aos 14 meses já é possível sem riscos. Ela dura de 9 a 10 meses e o intervalo entre partos pode ser de cerca de 12 meses, para aumentar a produção. Uma vida inteira prenhe.

Como todas as vacas, Luma tem um olhar muito expressivo e essa é base para a cineasta criar seu filme: a câmera sempre muito próxima a ela, nos ajuda a entender suas emoções diante de uma rotina desgastante de anos e anos, praticamente nos colocando em sua posição. Seu corpo, apesar do meu uso de pronome possessivo, não lhe pertence. Luma não é um ser vivo, é uma mercadoria, assim como o leite que produz.

Luma precisa ser emprenhada para gerar leite, mas seu filhote é tirado dela logo após as primeiras mamadas. O leite deve ir para as máquinas e o bebê, isolado, recebe mamadeira. Luma sente raiva, grita, chama por ele, tenta bater em quem se aproxima. Ela se revolta e quem assiste também. O olhar parado é de tristeza, enquanto chafurda na lama do espaço confinado.

A montagem primorosa, que condensa o tempo dispendido ao lado da vaca, constrói o ritmo da repetição incessante que caracteriza a exploração. O resultado é o senso de imersão em uma das indústrias que devem estar entre as mais cruéis para animais não-humanos.

No twitter eu escrevi “Fazia tempo que eu não chorava tanto do início ao fim de um filme como com Cow”. É fato, chorei lavado. Profundamente emocionante, com uma poética muito própria, sem jamais ser apelativo, o filme não precisa de letreiros, de narração ou de nada que lembre outros documentários com pé mais fincado no ativismo para nos sensibilizar. Basta Luma.

Compartilhe
Share

Crítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo, gênero e cinema e é feminista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.