• Podcasts

    Feito por Elas #162 Especial Mulheres no Oscar 2022

    Nesse episódio conversamos sobre a 94ª edição do Oscar, o grande prêmio da indústria do cinema dos Estados Unidos, que aconteceu no dia 27 de março. Falamos sobre as mulheres indicadas, os filmes realizados por mulheres ou com mulheres e sobre a cerimônia como um todo. O programa é apresentado por Isabel Wittmann e Rosana Íris. Feito Por Elas #162 Especial Mulheres No Oscar 2022 Feed | Facebook | Twitter | Instagram | Letterboxd | Telegram Pesquisa, pauta e roteiro: Isabel Wittmann e Rosana Íris. Produção: Isabel Wittmann Edição: Domenica Mendes Arte da capa: Isabel Wittmann Vinheta: Felipe Ayres Locução da vinheta: Deborah Garcia (deh.gbf@gmail.com) Música de encerramento: Bad Ideas – Silent Film…

  • Podcasts

    Feito por Elas #161 Ataque dos Cães

    Neste podcast conversamos sobre Ataque dos Cães (Power of the Dog, 2021), filme mais recente da cineasta neozelandesa Jane Campion. Nessa adaptação da novela de mesmo nome escrita por Thomas Savage, dois irmãos rancheiros, Phil (Benedict Cumberbatch) e George (Jesse Plemons) conhecem Rose (Kirsten Dunst), uma viúva com quem o segundo se casa, mas que o primeiro hostiliza. O filho dela, Peter (Kodi Smit-McPhee) resolve proteger a mãe. O filme foi indicado a 12 Oscars: Melhor Trilha Sonora, Montagem, Fotografia, Som, Design de Produção, Atriz Coadjuvante (Kirsten Dunst), Ator Coadjuvante (Jesse Plemons), Ator Coadjuvante (Kodi Smit-McPhee), Ator (Benedict Cumberbatch), Roteiro Adaptado (Campion), Direção (Campion) e Filme. Conversamos sobre as masculinidades…

  • Blogs,  Críticas,  Filmes,  Isabel Wittmann

    Ataque dos Cães

    Eu já escrevi sobre como Jane Campion trabalha a relação entre erotismo e morte, tão bem analisada por Bataille, no seu Em Carne Viva. Em Ataque dos Cães voltam a se entrelaçar a pulsão de morte que se mistura ao desejo. Como em O Piano, Rose é rodeada por um ambiente natural (e também social) hostil, em que precisa medir forças com um homem que acaba de conhecer. Dessa vez trata-se da figura bruta de Phil. Mas Rose não é Ada. É uma mulher frágil e mesmo seu piano não é uma ferramenta de expressão, mas mais um elemento de pressão que se soma a outros em torno de sua trajetória…