• Discos,  Indicações

    Desmanche, de Karina Buhr

    Depois de Eu Menti pra Você (2010), Longe de Onde (2011) e Selvática (2015), a cantora baiana Karina Buhr lança seu quarto álbum, Desmanche (2019), espera que fez valer cada faixa. Talvez o mais pesado, tem tambores que remetem aos primórdios da carreira na Comadre Fulozinha, tem espaço para romance – ainda que desiludido – em “Amora” e mantém o característico sotaque recifense, parte de sua afrontosa resistência. Apesar dos títulos que aparentam ser regravações, as faixas são composições próprias, como “Chão de Estrelas”, “A Casa Caiu” e “Filme de Terror”, bolero irônico em que “vende-se ânimo, valentia, coragem”. Já a vi pasma de admiração em muitos shows, de covers…

  • Filmes,  Indicações

    O Olmo e a Gaivota, de Petra Costa

    Se você gostou do documentário Democracia em Vertigem, que já recomendamos nessa newsletter, não deixe de conferir O Olmo e a Gaivota, o filme anterior da diretora Petra Costa, que entra para o catálogo da Netflix nesse domingo. Talvez o menos diretamente pessoal de sua filmografia, ele trata da história de uma atriz, Olivia, que se prepara para encenar a peça A Gaivota, de Tchekov, quando descobri que está grávida. A partir daí tem que lidar com seus medos, a percepção sobre si, sobre seu corpo e sua vida.

  • Discos,  Indicações

    öOoOoOoOoOo – Samen

    Nunca tinha indicado nenhuma banda de metal por aqui até agora. Há muitas vocalistas mulheres maravilhosas no estilo, na maioria das vezes com canto lírico em bandas góticas, em predominante contraste com guturais masculinos: Tristania, After Forever, Lacrimosa e Epica são minhas preferidas… mas piro quando o gutural é feminino! Já tive um breve cover de Arch Enemy inclusive, época em que quase destruí as cordas vocais imitando (errado) a técnica de Angela Gossow. Também devo citar The Agonist e iwrestledabearonce como belos exemplos de gutural feminino, nos dois casos oscilante com uma voz límpida. Mas desde UneXpect – favorita oficial posto que a mais criativa do gênero avant-garde ou…

  • Notícias

    Para conhecer Varda

    Apesar de sempre ser vinculada de imediato à Nouvelle Vague, a cineasta belga Agnès Varda (1928-2019) consolidou ao longo de sua carreira uma filmografia tão plural que a colocou no patamar das grandes diretoras da história do cinema, com cerca de 60 filmes creditados com seu nome na direção. Varda foi certamente maior que a Nouvelle Vague e uma revisitação aos seus filmes comprova tal afirmação. Por meio de sua extensa filmografia, podemos acompanhar desde documentários de engajamento político-social, passando por dramas ficcionais com mulheres protagonistas, até chegar aos ensaios em primeira pessoa que refletem sobre a memória, a produção de imagens e as relações de alteridade. Por reconhecer a…

  • Estante da Sala

    Rainha de Copas

    Anne (Trine Dyrholm) é uma bem sucedida advogada que trabalha em casos de violência contra menores. Casada com um médico, mãe de duas filhas gêmeas e moradora de uma imensa casa com grandes panos de vidro rodeada por um bosque, ela parece ter uma vida perfeita. Mas a chegada de seu enteado, o adolescente Gustav […] ...

  • Podcasts

    Feito por Elas #81 Věra Chytilová

    O programa de hoje é sobre a cineasta de vanguarda Věra Chytilová, pioneira da Nouvelle Vague tcheca. Conversamos sobre os seus filmes Algo Diferente (O necem jiném, 1963), As Pequenas Margaridas (Sedmikrásky, 1966) e Fruto do Paraíso (Ovoce stromu rajských jíme, 1970). O programa é apresentado por Isabel Wittmann do Estante da Sala, Camila Vieira da Revista Sobrecinema, Stephania Amaral do Cinematório e Instagram Discos da Stê e Kel Gomes do Cinematório. Oferecimento: Telecine: acesse para testar Feedback: contato@feitoporelas.com.br Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Letterboxd|Telegram Edição: Felipe Ayres e Isabel Wittmann Pesquisa e pauta: Stephania Amaral  e Isabel Wittmann Arte da capa: Amanda Menezes Vinheta: Felipe Ayres Locução: Deborah Garcia (deh.gbf@gmail.com) Assine nosso Padrim Assine nosso Patreon Mencionados: [SORTEIO] Regras para participar do sorteio do box da Obras-Primas do…

  • Recados

    Prêmio do mês de Setembro

    Esse mês tem prêmio duplo! Nosso próximo programa será sobre a cineasta Věra Chytilová e por isso recebemos da Obras-Primas do Cinema dois boxes de DVDs com filmes da diretora para sorteio. Eles contém os filmes Algo Diferente (1963), As Pequenas Margaridas (1966) e Fruto do Paraíso (1970), que serão discutidos em nosso programa, além de Saco de Pulgas (1962), Teto (1962) e um documentário sobre a diretora. São duas as chances de ganhar! A primeira caixa será anunciada em nosso instagram, basta seguir as regras que constam na foto do sorteio, nesse link. A segunda é para nossas madrinhas e padrinhos que contribuírem com 10 reais ou mais ou…

  • Notícias

    Filmes de grandes atrizes do cinema para ver pela internet

    Quando pensamos nas atrizes que entram para o panteão dos grandes nomes do cinema, muitas vezes vêm a nossa memória aquelas que trabalharam nas primeiras décadas da sétima arte. E não é por acaso, já que até a década de 1950, durante a era clássica de Hollywood e que se chama de Star System, ou Sistema de Estrelas, a maior parte dos papéis de destaque era conferido a elas e não a seus companheiros de tela. Depois desse período, os atores passaram a ter presença mais forte nas produções e às mulheres, muitas vezes, se delegou o papel de coadjuvantes. Separamos para vocês filmes com essas grandes divas do cinema…

  • Blogs,  Estante da Sala

    Minha Lua de Mel Polonesa

    Fotos antigas que guardam recordações de antepassados que sequer conhecemos: assim começa o filme Minha Lua de Mel Polonesa. A diretora, Élise Otzenberger, que também roteirizou o filme, tem muito em comum com a protagonista, a francesa Anna (Judith Chemla). Assim como ela, é de família judia de origem polonesa e pouco sabe sobre eles, […] ...

  • Blogs,  Estante da Sala

    Bacurau

    Que roupa é essa menino? Spoilers moderados à frente Bacurau, dirigido por Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, é significativo em meio ao cenário político brasileiro de 2019, retratando processos e atores sociais que são muito próximos de nossa realidade, mas moldando-os em um complexo e instigante hibridismo de gênero. A história se desenrola na […] ...