Blogs,  Críticas,  Isabel Wittmann

[44ª Mostra de São Paulo] Charlatão


Esta crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro em formato online.

Após Mr. Jones, Agnieszka Holland novamente trabalha com uma figura relacionada à história soviética. Dessa vez trata-se de Jan Mikolásek (Ivan Trojan), curandeiro e herbalista austro-húngaro que se tornou um sucesso na então Checoslováquia entre as décadas de 1930 e 1950. O roteiro de Charlatão foi escrito por Marek Epstein, que também publicou um livro sobre o personagem.

A trajetória de Mikolásek nos é apresentada por flashbacks que, entre outros momentos, abarcam seus anos como aprendiz de uma curandeira que não cobrava nada de seus pacientes. Foi com ela que aprendeu a observar amostras de urina e por meio delas detectar doenças das pessoas. Mas antes disso, vindo de uma família de jardineiros, já tinha conhecimento das ervas e dizia poder adivinhar se uma pessoa estava próxima da morte. Apesar do título, o filme escolhe facilmente representar o curandeiro como um homem capaz dos poderes que afirma ter, sem margem para dúvida. Todos os seus palpites são vitoriosos e suas ações curam. Depois da fama fazia uso de apenas quatro misturas diferentes de ervas para todos os tratamentos, além, claro, da fé.

Mikolásek, apesar de alertado pela sua mentora a respeito do problema de aceitar pagamentos, uma vez que ela afirmava que tudo que o afasta das pessoas é ruim, optou pelo caminho inverso. Atende pessoas pobres que pagam pelos seus compostos. Também atende oficiais nazistas durante a ocupação e autoridades soviéticas depois do final da 2ª Guerra, sem distinção. Depois da morte do presidente Antonín Zápotocký, em 1957, perdeu sua proteção política e foi acusado de falsa prática de medicina. Mas antes disso, a direção de arte estabelece sua residência e trabalho em uma enorme mansão, com móveis pesados em madeira escura e objetos religiosos, demonstrando sua riqueza, reforçada pelo fato de que afirma contribuir com inúmeras caridades. É curioso, já que a caridade é uma forma ineficaz de redistribuição de riqueza, que mantém a pessoa que a pratica em condição de superioridade àquela que a recebe.

Entre as obras religiosas, está uma réplica em miniatura da estátua de Davi, do Michelangelo. A diretora em certa cena faz um curioso close no pênis do profeta. A escolha excêntrica pode ter sido para indicar a mistura entre religiosidade e sexualidade, porque o filme ficcionaliza uma relação entre Mikolásek e seu assistente Frantisek Palko (Juraj Loj), que, na vida real, não morava com a esposa, mas, sim, com o patrão. O relacionamento que nasceu de forma violenta, é retratado como sendo de companheirismo. Ou, pelo menos, de companheirismo até que Mikolásek necessite sobreviver. Então vemos, em close, o rosto de Ivan Trojan quando seu personagem trai Frantizek. Pai e filho, Ivan e Josef Trojan (esse último responsável pela versão jovem do personagem) são ótimos atores, demonstrando das emoções que se escondem por debaixo da impassibilidade, até as explosões mais intensas de violência.

Agnieszka Holland já havia tecido uma crítica anti-comunista bastante simplória em seu trabalho anterior. Em Charlatão seu discurso é mais contido e, ainda assim, transparece na defesa ferrenha de seu personagem-título, um homem que afirmava curar pela fé e fez fortunas com essa prática. A ficcionalização da figura histórica não cria um personagem crível, uma vez que além de poucos momentos de raiva, ele aparece como uma figura absolutamente estoica e resiliente. Holland tenta delinear uma denúncia a um regime autoritário e o faz endossando e defendendo a pseudociência. E o pior? Mesmo como cinema é desinteressante.

Nota: 2 de 5 estrelas

Posts relacionados

Share
Compartilhe
Share

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *