Blogs,  Críticas,  Isabel Wittmann

[44ª Mostra de São Paulo] Minha Incrível Wanda


Esta crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro em formato online.

Enquanto no Brasil é prática comum, mesmo nos dias hoje, que famílias de cidades maiores tragam meninas do interior para morar em suas casas e trabalhar (em sistema análogo à escravidão), em outros lugares essa prática costuma mirar mulheres de países próximos e em situação financeira menos privilegiada. Em Minha Incrível Wanda (Wanda, Mein Wunder, 2020), a cineasta suíça Bettina Oberli retrata justamente isso: uma família rica de seu país que contrata uma cuidadora polonesa, chamada Wanda (Agnieszka Grochowska), para os cuidados de Josef (André Jung), patriarca da família. O roteiro é escrito pela diretora em parceria com Cooky Ziesche.

Logo no começo nos é revelado que na verdade Wanda já havia trabalhado para eles. Uma outra profissional que a substituiu foi considerada rude e por isso ela foi acionada novamente. A sua chegada escancara uma série de relações estratificadas, que passam não só por classe, mas também de nacionalidade, uma vez que cidadãos poloneses muitas vezes enfrentam xenofobia em outros países da Europa, ainda que ocupando postos necessários do mercado de trabalho.

Wanda deixa sua própria família e filhos em seu país, porque precisa do dinheiro, e dorme no quartinho do porão. Informam a ela que além de cuidar do idoso, também irá limpar e cozinhar por uma fração do salário adequado. Elsa (Marthe Keller), a patroa, diz que quer lhe dar um presente: um vestido velho dentre os que não usa mais. Sophie (Birgit Minichmayr), a filha do casal, a acusa de roubo e faz comentários depreciativos sobre poloneses. Gregi (Jacob Matschenz), o filho, é marcado pela falta de interesse em trabalhar na empresa do pai e a trata bem, mas sempre com o explícito interesse de que um relacionamento amoroso possa nascer dali. Todas essas dinâmicas são familiares na realidade brasileira e até mesmo dialogam, guardados os contextos socioculturais, com um filme como Que Horas Ela Volta. O filme trabalha muito bem a complexidade das redes que se estabelecem.

Mas uma reviravolta altera todas as dinâmicas familiares. Wanda descobre estar grávida. O patrão septuagenário pagava à empregada por serviços extras de cunho sexual, que ela aceitava para conseguir mais dinheiro para os filhos. Depois do 2º filho, Elsa deixou ele acreditar que era infértil, quando na verdade era ela. Assim o engano se prolongou por décadas, resultando na gravidez. E a partir daí comportamentos e expectativas são redefinidos.

O filme tem um elenco afinado e é um retrato de uma família disfuncional, tantas vezes abordada no cinema. Apesar de ser um drama, o humor ácido contrabalança muitas das ações. Minha Incrível Wanda é uma narrativa convencional, mas que pontua bem as incoerências de uma classe privilegiada, escancarando seus preconceitos de classe e xenofóbicos e mostrando como mudanças são possíveis, ainda que, nesse caso, possam ser cosméticas.

Nota: 4 de 5 estrelas
Selo "Approved Bechdel Wallace Test"

Posts relacionados

Share
Compartilhe
Share

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *