Notícias

Romances menos comentados para ver pela internet

Quando pensamos em romances, facilmente vem à mente os nomes de Nora Ephron e Nancy Meyers, que dominaram o gênero desde a década de 1980 (e sobre as quais temos programas!). Mas os filmes das duas cineastas são vistos e revistos uma infinidade de vezes e é difícil escolher outros que sejam interessantes em meio a tantas opções. Por isso, entre comédias e dramas românticos, separamos cinco filmes dirigidos por mulheres que são menos visados e ainda assim ótimos, para que você possa assistir na plataforma de streaming do Telecine.

Um Dia (One Day, 2011), dirigido por Lone Scherfig

O drama Um dia (2011), adaptado do livro de David Nicholls, foi o primeiro de Lone Scherfig depois de ter seu filme Educação (2009) indicado ao Oscar. Os personagens principais, interpretados por Anne Hathaway e Jim Sturgess, passam juntos a noite de sua formatura da faculdade e resolvem se encontrar todo ano naquele mesmo dia. Destaque para o figurino de Emma, personagem de Hathaway. Prepare o lencinho e assista aqui!

Madame Bovary (2014), dirigido por Sophie Barthes

Nessa nova adaptação do livro clássico de Flaubert, a protagonista Emma Bovary ganha camadas adicionais na interpretação de Mia Wasikowska. Mais do que a crítica à escola romântica de literatura pretendida pelo autor, a diretora Sophie Barthes aproveita o texto para mergulhar no drama trágico da personagem que dá título à obra, tomando o contexto histórico e geográfico como referência. Ezra Miller talvez não tenha sido a melhor escolha para o papel de Léon, o interesse amoroso, mas a força das atuações compensa. Assista a Madame Bovary (2014) aqui.

Paris Pode Esperar (Paris can Wait, 2016), dirigido por Eleanor Coppola

É sempre curioso pensar que Sofia Coppola, filha de Francis Ford Coppola, escreveu o filme Um Lugar Qualquer (2010), sobre um homem que trabalha na indústria do cinema e é um pai ausente; e Eleanor Coppola, esposa de Francis Ford Coppola, escreveu Paris Pode Esperar (2016), sobre uma mulher madura casada com um homem que trabalha na indústria do cinema e é ausente. Pois é! Nesta simpática dramédia, Diane Lane interpreta uma espécie de alter ego da diretora, que viaja para Paris em companhia de um francês charmoso, parceiro de negócios do marido, na ausência dele. Bônus por paisagens bonitas e comidas apetitosas. Assista aqui.

De Volta Para Casa (Home Again, 2017), dirigido por Hallie Meyers-Shyer

A estreante diretora Hallie entrega em seu sobrenome hifenizado o pertencimento ao clã certo para o trabalho: trata-se da filha de Nancy Meyers. Nessa comédia romântica, a protagonista, interpretada por Reese Whiterspoon, é uma mulher recém divorciada que se muda com as filhas para Los Angeles. Lá, por um acaso, vem a abrigar três jovens cineastas aspirantes, que passam a integrar sua rotina e mostrar que família pode ter diversas formas. Assista a De Volta Para Casa (2017) aqui

Rafiki (2018), dirigido por Wanuri Kahiu

Primeiro longa-metragem queniano a ser exibido no Festival de Cannes, Rafiki (2018) conta a história de duas adolescentes que moram no mesmo conjunto habitacional e que, apesar de pertencerem a famílias com rivalidades políticas, se apaixonam uma pela outra. A diretora Wanuri Kahiu optou por usar cores pastel neon banhadas sobre as cenas, captadas em uma bela fotografia. O filme chegou a ser banido no país de origem, onde relacionamentos entre pessoas do mesmo gênero não só são proibidos, como duramente penalizados. Assista a essa narrativa doce e sensível aqui.

Lembrando que esses romances dirigidos por mulheres estão disponíveis no catálogo do Telecine para assistir direto pela internet.

Esse conteúdo foi produzido pelo Feito por Elas, de maneira patrocinada, em parceria com o Telecine.  


Compartilhe
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *