• Notícias

    A maternidade no cinema em 7 filmes do Telecine

    As representações da maternidade no cinema muitas vezes são limitadas à romantização ou à demonização, resultando em narrativas que reforçam estereótipos e pouco – ou nada – contribuem para uma real aproximação e para reflexões aprofundadas sobre essa experiência tão complexa. Tal complexidade está, inclusive, nas diferentes perspectivas e nuances dentro do tema: ser mãe ou estar em relação com uma mãe (sendo filha(o), neta(o), pai etc), ser mulher que não planeja ter filhos e sofre as pressões sociais dessa escolha, ser julgada em relação ao mito do instinto maternal e suas implicações ou ainda exercer algum aspecto da maternidade ou a função materna sem possuir o laço sanguíneo, entre…

  • Podcasts

    Feito por Elas #51 Liv Ullmann

    No programa de hoje nós conversamos sobre a atriz, diretora e escritora sino-norueguesa Liv Ullmann, destacando os filmes que ela dirigiu, especialmente Encontros Privados (Enskilda samtal, 1995), Infiel (Trolösa, 2000) e Miss Julie (2014). O programa é apresentado por Isabel Wittmann do Estante da Sala, Stephania Amaral do Cinematório e Instagram Discos da Ste, Michelle Henriques, do Leia Mulheres e Feminist Horror e Camila Vieira da Revista Sobrecinema. Feedback: contato@feitoporelas.com.br Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Letterboxd Pesquisa e pauta: Michelle Henriques Edição: Isabel Wittmann e Felipe Ayres Pesquisa e pauta: Michelle Henriques Arte da capa: Amanda Menezes Vinheta: Mey Linhares Assine nosso Padrim Assine nosso Patreon Mencionados: [FILME] Liv & Ingmar: Uma História de Amor (Liv & Ingmar, 2012), de Dheeraj Akolkar [FILME] As Melhores Intenções (Den goda viljan, 1992), de Billie August [FILME] Crianças de Domingo (Söndagsbarn, 1992), de Daniel Bergman [FILME] Fanny & Alexander (Fanny och Alexander, 1982), de Ingmar Bergman [FILME] Gritos e…

  • Indicações,  Livros

    Opções e Mutações

    Li recentemente Opções e Mutações, de Liv Ullmann, diretora de Sofie (1992), Kristin – Amor E Perdição (1995), Infiel (2000) e Miss Julie (2014). Mais do que autobiografias e diários de viagens, a autora traça nos dois livros um panorama sobre a vida de atriz de teatro e de cinema –  mais famosa pelos filmes do Ingmar Bergman como Persona – Quando as Mulheres Pecam (1966) e Sonata de Outono (1978), desmistificando inclusive a índole de figuras famosas em Hollywood. Além disso, é comovente como ela se desnuda sem máscaras sobre sentimentos ambíguos em relação à envelhecimento, maternidade e solidão Stephania AmaralDoutoranda em cinema de horror, revisora e aspirante à crítica de música no @discosdaste