Blogs,  Críticas,  Isabel Wittmann

[44ª Mostra de São Paulo] Cozinhar F*der Matar


O inusitado Cozinhar F*der Matar (Cook F**K Kill, 2019) começa com um coro de teatro grego composto apenas por mulheres, que conta, em uma espécie jogral, uma história sobre violência. Com isso o filme já escancara sua estrutura de tragédia (não sem uma dose de humor ácido), marcando a inevitabilidade da morte que recairá sobre o suposto herói. Com roteiro e direção de Mira Fornay, ele retrata o o motorista Jaroslav (Jaroslav Plesl) e relação com sua família.

Jaroslav vive uma espécie de dia da marmota, em que tenta, uma vez atrás da outra, alterar as dinâmicas familiares, incluindo as que ele cria. Ele não pode ver seus filhos, que estão trancados com a vó. A chave está com sua esposa Blanka (Jazmína Cigánková), que só a entregará se ele lhe der o apartamento de sua mãe. A mãe dele (Regina Rázlová), em certo momento, afirma que dará o apartamento se ele cozinhar para ela. Ele diz que cozinha se o sogro matar um boi. Um ciclo sem fim de condições colocadas em torno do afeto e interações negociadas

Uma boa parte do filme se passa no fatídico apartamento da mãe de Jaroslav. Trata-se de um imóvel apertado, com a cozinha e a sala espremidos em um único cômodo coberto com papel de parede estampado e entulhado de plantas e quadros nas paredes. O corredor da entrada, disfarçado com uma cortina de contas, tem uma segunda porta que esconde um banheiro onde uma pessoa mal consegue circular. A precariedade do espaço dá mostras da mesquinhez do protagonista, que o quer de qualquer forma e acusa sua mãe de ser egoísta. A primeira morte é dela, pelas mãos do próprio filho, no pequeno banheiro que sequer comporta seu corpo deitado, com as pernas esticadas para o corredor.

Mas após a morte, que parecia definitiva, tudo recomeça e as relações se reconfiguram inúmeras vezes. A mãe de Jaroslav namora com o sogro dele. A mãe de Jaroslav é casada com o pai dele, ainda vivo. A sogra de Jaroslav tem um caso com ele. A sogra de Jaroslav ainda é casada com seu sogro. Todos eles se reúnem em uma mesa longa que remete visualmente a uma Santa Ceia profana e cheia de verniz de polidez, com os convidados sentados na parte de trás e nas laterais. Mas não Jaroslav, que se senta na frente, de costas para a câmera (e para quem assiste). Essa imagem bloqueia nosso acesso a ele, como se não nos coubesse entendê-lo.

A violência se escancara em diversos momentos. Em cum deles Jaroslav é questionado se não sabe cuidar de Blanka sem ser intimidado por ela. Em outra cena ela, sentada no chão e chorando, descreve as violências físicas que seu pai perpetrava contra sua mãe, enquanto, fora de campo, o pai faz as mesmas coisas que ela descreve com seu marido enquanto fala “Assim que amei sua mãe, Jaroslav. Amei mas tinha medo”. Em outro momento é ele que diz ao sogro que ama Blanka exatamente como ele amava a mãe dela, enquanto lhe desfere tapas. Fornay não se furta de nos mostrar que esse ciclo nunca termina e que toda relação pautada em violência alimenta outras que se estabelecem da mesma forma. E assim se tece a família.

Jaroslav chega, mesmo a questionar os acontecimentos e afirmar que se ele tivesse nascido menina as coisas não teriam sido da mesma forma. É quando o filme nos oferta essa nova realidade, e uma versão feminina dele entra na história. Quando ela passa diante do espelho, é o reflexo dele que vemos.

O filme até brinca com a possibilidade do anti-herói congelar o tempo e, por alguns segundos, escapar do inevitável, apenas para sucumbir adiante. Talvez seja uma visão fatalista e mesmo determinista sobre as vidas retratadas. Os padrões de violência se repetem e a diretora não propõe uma resposta ou uma solução. Mas a narrativa funciona como um estudo de personagens, que, como cobaias de um experimento, tentam em vão sair do labirinto onde se colocaram. Nesse sentido, se o nome Cozinhar F*der Matar é uma referência ao Comer, Rezar, Amar (Eat Pray Love, 2010), trata-se de uma anti-comédia–romântica, em que não há uma busca por si, nem pelo amor, apenas a constatação da tragédia.

Nota: 3 de 5 estrelas

Posts relacionados

Share
Compartilhe
Share

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *