• Filmes,  Indicações

    Alguém Tem Que Ceder

    Recentemente entrou para o catálogo da Netflix o filme Alguém Tem Que Ceder (Something’s Gotta Give, 2003), escrito e dirigido por Nancy Meyers. Nessa comédia romântica, Diane Keaton vive Erica Barry, uma escritora renomada que está às voltas com um homem rabugento, Harry Sanborn (interpretado por Jack Nicholson) e outro que admira profundamente seu trabalho, Julian Mercer (vivido por Keanu Reaves). Com momentos de ridículo e uma boa protagonista, o filme é uma boa pedida pro fim de semana. Aproveite e depois ouça nosso programa sobre a diretora, em que conversamos sobre ele. Isabel WittmannCrítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo, gênero e cinema e é feminista. http://estantedasala.com

  • Filmes,  Indicações

    Jane: a Mão dos Chimpanzés

    A dica de hoje na verdade eu já dei tanto no meu twitter quanto no grupo do Feito por Elas do Telegram, mas vou reforçar. Assista Jane: a Mãe dos Chimpanzés (Jane, 2017), de Brett Morgen! O documentário, montado com imagens inéditas descobertas em 2014, mostra o trabalho de Jane Goodall com chimpanzés, considerada a mais longa pesquisa contínua de animais em seu habitat. Jane é uma personagem absolutamente fascinante e uma profissional incrível. A maior parte das imagens foi realizada ainda na década de 1960 por Hugo Van Lawick, que foi encarregado pela National Geographic Society de registrar o trabalho dela. Considerado um dos melhores fotógrafos de natureza, Hugo filmou de perto cada etapa do trabalho…

  • Filmes,  Indicações

    Mais uma Chance (Private Life, 2018)

    Mais uma Chance (Private Life, 2018), escrito e dirigido pela estreante Tamara Jenkins, foi um dos filmes mais comentados do ano a serem lançados diretamente na Netflix. Protagonizado por Kathryn Hahn, sempre com atuações sólidas nos papeis que encarna, sua personagem é Rachel, uma escritora de quarenta e poucos anos decidida a ter uma criança com seu marido, Richard (Paul Giamatti). O fato é que essa gravidez nunca vem e ambos estão em meio a tratamentos caros de fertilização para os quais não tem dinheiro e um processo demorado de adoção, em que subitamente se vêm como pessoas inadequadas para a parentalidade. A rotina do casal se vê resumida a injeções, coletas de amostras, exames…

  • Filmes,  Indicações

    Feministas: O Que Elas estavam Pensando

    O documentário Feministas: O Que Elas estavam Pensando tem como ponto de partida um livro de fotografias feitas entre 1974 e 1977 com mulheres feministas diversas. Com uma exposição dessas fotos sendo preparada, a diretora Johanna Demetrakas reencontra algumas dessas mulheres para conversar sobre suas vivências pessoais e a década de 70. Algumas são famosas, como Jane Fonda, Lily Tomlin e Michelle Phillips, mas outras são pessoas comuns que estavam apenas em busca dos seus direitos. Identificadas com a 2ª onda do feminismo, muitas delas lutaram por suas carreiras, autonomia financeira, liberdade sexual, maternidade e direitos reprodutivos. A interseccionalização de gênero com raça e classe não era ainda uma pauta e o documentário aborda, também, os conflitos…

  • Filmes,  Indicações

    Paraíso Perdido

    De volta ao cinema desde Cavalinho Azul (1984), Erasmo Carlos surge em frente às cortinas iluminadas pelo neon e nos convida para esquecer quem somos e passar duas horas no cabaré Paraíso Perdido (2018),  filme escrito e dirigido pela cineasta Monique Gardenberg (também responsável por Benjamin(2003) – a menos terrível entre as adaptações dos livros do Chico Buarque), e agora disponível no serviço de streaming.Imã (vivida pelo cantor Jaloo) sofre agressões de intolerância na porta do local. Resta saber se o tratamento dado a ela pelo filme também não foi transfóbico, pois há uma necessidade de reforçar o gênero masculino da personagem que aos 20 anos se diz feliz. Fica evidente a hipocrisia e o preconceito do…

  • Filmes,  Indicações

    Gente de Bem

    O novo filme da diretora e roteirista Nicole Holofcener, Gente de Bem (The Land of Steady Habits, 2018) é uma parceria com a Netflix, lançado diretamente no serviço de streaming. O protagonista é Anders Harris, interpretado por Ben Mendelsohn, um homem branco de classe média que, em uma espécie de crise de meia idade, resolve se divorciar e sair do emprego em que trabalhava. Nem ele sabe exatamente o que o motivou a fazer as duas coisas, e nem o que especificamente está buscando em sua vida. A incerteza e o peso das escolhas são lindamente fotografados na cena do pôster acima, em que ele, numa enorme loja de coisas para casa, se depara com…

  • Filmes,  Indicações

    Carol

    Quando fizemos nosso programa sobre a Kelly Reichardt mencionamos como ela foi apoiada por Todd Haynes, um dos expoentes e considerado um dos criadores do New Queer Cinema, um movimento que aborda sexualidade em seus filmes e que começou no início dos anos 90. Haynes tem muitos filmes maravilhosos, mas é possível que Carol, que entrou para o catálogo da Netflix, seja o que tenha a estética mais apurada. Baseado no romance de Patricia Highsmith e roteirizado por Phyllis Nagy, é basicamente um conto de Natal, em que a personagem-título (vivida por Cate Blanchett) é uma dona de casa com boa situação financeira que está se divorciando do marido e Therese (interpretada por Rooney Mara), por quem ela se…

  • Filmes,  Indicações

    Para Todos os Garotos que Já Amei

    Agosto de 1999: férias escolares. Com catorze anos, eu e mais duas amigas não pensamos duas vezes e escolhemos 10 Coisas Que Odeio em Você como o filme da nossa sessão de cinema da vez. É uma pena que eu tenha jogado fora os diários daquela época, porque eu sempre anotava o que tinha achado do filme e adoraria reler hoje em dia. Na época Heath Ledger e Julia Stiles (os protagonistas) tinham 20  e 18 anos, respectivamente, ainda que seus personagens fossem adolescentes do ensino médio. Resquícios dos anos 90 que findava. O que importa é que, independente disso, aquele filme era mágico! Achei ele divertido, romântico, com uma trilha sonora…

  • Filmes,  Indicações

    Descalços no Parque

    No ano passado o podcast You Must Remember This, produzido e apresentado por Karina Longworth, teve uma temporada inteira sobre Jane Fonda. Foi interessante acompanhar sua trajetória de tomboy que encarnou no cinema mocinhas que emanavam uma liberdade sexual jovial, enquanto na vida pessoal a militância política ocupava sua mente. A comédia romântica Descalços no Parque (Barefoot in the Park, 1967), representa bem essa época de sua carreira. Baseado em uma peça de Neil Simon (adaptada por ele mesmo) e dirigido por Gene Saks, o filme conta a história de um jovem casal recém-casado em Nova York: Paul (Robert Redford) e Corie (Jane Fonda), que estão se adaptando ao minúsculo apartamento onde foram morar. Os dois…

  • Filmes,  Indicações

    Laços de Ternura

    Às vezes tudo que a gente precisa é de um bom filme recheado de atrizes incríveis trazendo o melhor de sua atuação: é tipo uma confort food cinéfila. Lembro de ter assistido a Laços de Ternura (Terms of Endearment, 1983) há uns bons 20 anos ou mais atrás, mas não tinha muitas recordações sobre ele. Dirigido por James. L. Brooks, ele trata da relação ao logo dos anos de uma mãe e uma filha. A primeira, Aurora Greenway, interpretada por Shirley MacLaine, rodeada por babados, é um tanto rígida consigo mesma e despista o flerte de diversos homens que a rodeiam. Mas certo dia aceita o convite para almoçar feito por seu vizinho, um astronauta que…