cabeçalho livros
Blogs,  Isabel Wittmann,  Livros

Melhores livros lidos em 2021

Esse ano foi, entre altos e baixos, de muitas leituras, especialmente em virtude do Grupo de Leitura Feito por Elas (link para quem quiser fazer parte). Como todo ano, vou elencar aqui algumas das que mais gostei. E também aproveito para deixar linkado meu goodreads. Vamos à lista!

Quadrinhos:

Ninguém Vira Adulto de Verdade e A Louca dos Gatos, de Sarah Andersen

Tradução: André Czarnobai

Editora Seguinte (120 pág e 112 pág)

Eu sou louca pelos quadrinhos da Sarah Anderson, que acompanho há anos pelos instagram. Os livros são coletâneas do seu trabalho e são, claro, engraçadíssimos.

Link para comprar aqui e aqui


Não-ficção:

Blade Runner Reloaded, de Vanni Codeluppi (Org.)

Editora Franco Angeli (120 pág)

Conjunto de artigos de autores como David Harvey, Alison Landsberg e Antonio Caronia, entre outros, que exploram os diversos aspectos que tornam Blade Runner (1982) o filme pós-moderno por excelência, das colagens culturais, passando pelo urbanismo às politicas dos corpos.

Il Cyborg: saggio sull’uomo artificiale, de Antonio Carona

Editora ShaKe (155 pág)

Como o título informa, o livro propõe um ensaio sobre o ciborgue, conforme o conceito de Donna Haraway, refletindo sobre corpo, tecnologia, imaginário e biopolítica.

Fritz Lang’s Metropolis: Cinematic Visions of Technology and Fear, de Michael Minden e Holger Bachmann (Ed.)

Editora Camden House

Coletânea de materiais sobre o Metrópolis (1927), de Fritz Lang, com conteúdo riquíssimo, que abarcar relatos dos bastidores da produção, críticas da época para as diferentes versões que chegaram aos cinemas e ensaios sobre os impactos posteriores.


Ficção:

A Assombração da Casa da Colina, de Shirley Jackson

Tradução: Débora Landsberg

Editora Alfaguara (200 pág)

Um grupo de voluntários com experiências passadas envolvendo fenômenos paranormais é convidado por um cientista para se hospedarem em uma casa com fama de mal-assombrada. Entre eles está Eleanor, uma mulher impressionável e solitária. A forma como os eventos são narrados nos fazem perder totalmente a noção de temporalidade e espacialidade naquele lugar. A única certeza é que a percepção das personagens sobre os acontecimentos não é confiável.

Link para comprar

A Mão Esquerda da Escuridão, de Ursula K. Le Guin

Tradução: Susana L. de Alexandria

Editora Aleph (296 pág)

Genly Ai é uma espécie de embaixador ou emissário de Ekumen, uma união intergalática para o avanço das ciências e conhecimentos. Sua missão é convencer os governantes dos povos do planeta Gethen a se unir à empreitada. Mas exista algo de diferente nesses povos: a maior parte do tempo eles não manifestam identidade de gênero da forma como as conhecemos, o que obriga Gethen a repensar o tempo todo a forma como lida com feminilidades e masculinidades. Um clássico da ficção feminista.

Link para comprar

As Águas-Vivas Não Sabem de Si, de Aline Valek

Editora Fantástica Rocco (296 pág)

Uma mergulhadora de profundidade, chamada Corina, é contratada para embarcar em um submarino como parte de um experimento científico. Submersa há mais de 3 mil metros de profundidade, ela testa um novo traje de mergulho. Mas a missão esconde outros objetivos que só vai descobrir depois. A escrita de Valek é ao mesmo tempo poética e hipnótica. Se esse livro tivesse sido escrito em língua inglesa, com certeza já teria uma adaptação para o cinema a caminho.

Link para comprar

A Telepatia São os Outro, de Ana Rüsche

Monomito Editorial (120 pág)

A protagonista é Irene, uma mulher com mais de 50 anos que perdeu a mãe e vai em uma viagem ao Chile, onde, em uma espécie de escola-fazenda, aprende a desenvolver a telepatia. A mistura entre as capacidades mentais das personagens e as possibilidades tecnológicas (e legais) da época em que vivemos desencadeia uma intriga internacional que me deixou grudada a cada página virada.

Link para comprar

Estação Perdido, de China Miéville

Tradução: José Baltazar Pereira Júnior e Fábio Fernandes

Editora Boitempo (608 pág)

Um ficção científica sobre corpos híbridos, relacionamento interespécies, inteligências artificiais sencientes, governos corruptos e milícias violentas. Uma experiência de leitura para lá de interessante.

Link para comprar

Flores Para Algernon, de Daniel Keyes

Tradução: Luisa Geisler

Editora Aleph (288 pág)

Charlie é um homem com deficiência intelectual que é escolhido para participar de um experimento pioneiro: uma nova cirurgia no cérebro que seria capaz de, gradativamente, ampliar seu QI, assim como do ratinho Algernon, com com compete em testes de desempenho. narrado em primeiro pessoa, o livro usa da linguagem para externar a expansão das capacidades linguísticas do protagonista, mas também seu choque ao perceber que muito daquilo que entendia do mundo não era verdade (e às vezes era melhor não saber disso). É muito triste.

Link para comprar

Kindred: Laços de Sangue, de Octavia Butler

Tradução: Carolina Caires Coelho

Editora Morro Branco (432 pág)

Uma história de viagem no tempo nada convencional. Dana é uma escritora negra no nosso momento contemporâneo e subitamente se vê levada ao Sul dos Estados Unidos no começo do século XIX, em contexto escravagista. Reiteradamente ela faz essa trajetória, de hoje para o passado, e tenta entender porque isso está acontecendo. Sua única certeza é que encontrou com antepassados seus e, para sua surpresa, um deles é um garoto branco. Ela precisa lutar para sobreviver naquele contexto hostil à sua existência, em uma narrativa que escancara, por meio da ficção científica, o legado da escravidão hoje. Se eu tivesse que escolher só uma, diria que essa foi a minha leitura preferida do ano.

Link para comprar

Sobre os Ossos dos Mortos, de Olga Tokarczuk

Tradução: Olga Baginska-Shinzato

Editora Todavia (256 pág)

A senhora Janina Dusheiko mora em uma região isolada da Polônia, em meio a florestas e seus habitantes do reino animal. Mas também de caçadores e extratores de pele, que por acaso começam a aparecer mortos, rodeados por pegadas dos bichos que costumam perseguir. Janina, junto com seu vizinho e outros amigos, passa a investigar as mortes. Escrito com humor afiado, o romance policial trabalha muito bem a relação entre humanos e animais.

Link para comprar


Anos anteriores:

Melhores livros lidos em 2020

Melhores Livros Lidos em 2018

Melhores livros lidos em 2017

Melhores Livros Lidos em 2016

Melhores Livros Lidos em 2015

Melhores Livros de 2014

Os Melhores Livros de 2013

Compartilhe
Share

Crítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, pesquisa corpo, gênero e cinema e é feminista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.