[47ª Mostra de São Paulo] Anatomia de uma Queda

Esta crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 19 de outubro e 1 de novembro.


A sequência de abertura dá pistas acerca o tom que acompanha o filme. Sandra Voyter, interpretada por Sandra Hüller, está conversando com uma estudante. Escritora alemã de sucesso, ela mora um isolado chalé em uma região montanhosa da França. A garota quer entrevistá-la, mas ela se mostra mais interessada em conhecer a interlocutora, enquanto serve vinho e ri, se divertindo com a interação. Os rostos são enquadrados em close, sem espaço para o entorno: só o que há são ambas absortas uma pela outra, em plano e contraplano. A jovem pergunta sobre a relação entre a experiência pessoal e os livros da autora. Fora de quadro, uma música insuportavelmente alta expressa a presença invisível e hostil do marido da autora, Samuel (Samuel Maleski), e acaba por impossibilitar a realização da entrevista. O filho do casal, Daniel (Milo Machado-Graner) sai para passear com o cachorro e na volta, cerca de uma hora depois, encontra o corpo do pai morto sobre uma poça de sangue, caído na neve diante da casa. E aí começa o mistério.

Vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes, Anatomia de uma Queda (Anatomie d’une Chute, 2023), dirigido por Justine Triet e escrito por ela em parceria com Arthur Hararai, busca dissecar, como o título indica, o que pode ter acontecido imediatamente antes da parábola que projetou o corpo de Samuel do alto da casa até o chão. O isolamento da moradia não permite a elaboração de muitas teorias. A hipótese de um estranho vir e em um curto período de tempo matar Samuel é despropositada. Vincent (Swann Arlaud), advogado de Sandra, também afirma que ninguém vai acreditar na hipótese de um acidente. Sobram duas opções: ou Samuel se suicidou, jogando-se do sótão da casa, ou Sandra o matou, empurrando-o de lá. Sandra é indiciada e vai a julgamento como única suspeita pela morte do marido.

O advogado faz uma afirmação que guia a narrativa: o julgamento não é sobre a verdade. Ou seja, não importa o que aconteceu ou deixou de acontecer, o escrutínio é sobre o caráter de Sandra. E desde o começo ela é apresentada como uma mulher fria, sempre sob controle, mesmo nesse momento de emoções intensas (até o momento derradeiro de vulnerabilidade em que desaba em lágrimas). Magnética, ela atrai as pessoas ao seu redor. Sandra Hüller brilha dando vida a seu comportamento contido e atraente que por vezes deixa escapar uma mão se contorcendo nervosamente, uma respiração pesada ou um lábio tremendo quando enquadrado em um plano detalhe.

O embate entre discursos é expresso nas falas dos advogados de acusação e de defesa, que marcam o drama de tribunal. As provas pouca diferença fazem, já que laudos são apresentados acompanhados de análises meramente especulativas, baseadas nas percepções pessoais dos profissionais que tentam encaixá-las em teses pré-fabricadas. O filme surpreende, inclusive, por seu humor inesperado.

Triet constrói a ambiguidade dos eventos com uma linguagem elegante. Somos convidados a nos distanciarmos ao mesmo tempo que permanecemos com uma sensação de tensão. Em certo momento é revelado que há uma narração em áudio de uma briga do casal no dia anterior à morte. Ouvimos apenas o som, registrado pelo marido sem conhecimento de Sandra. Mas a montagem joga a pessoa espectadora para dentro do ocorrido, fornecendo imagens para aquele som, testemunhadas como um flashback. Quando o conflito escalona, a imagem, que preenche lacunas é suprimida e o filme volta para o registro do real imagético, que se encerra com um zoom vistoso. O que se ouve é vidro quebrando, socos sendo desferidos, gemidos abafado e não é mais possível saber o que aconteceu.

Nesse sentido, a dúvida que paira é sobre como o júri vai receber essas informações. De um lado, Sandra, é definida pelo falecido companheiro (presente mesmo em morte) com uma pessoa violenta, de comportamento emasculatório e dominador. De outro, Samuel é descrito como um homem ressentido com o sucesso da esposa e que se culpa pelo acidente que deixou o filho deles cego anos antes. O fato de ela ser bissexual, de ser mais bem sucedida, de passar menos tempo com o menino, de ter relacionamentos com outras pessoas: tudo isso é colocado na balança que mede as impressões sobre a personagem. Sexualidade, carreira e parentalidade são analisadas sob lentes do senso comum, com um machismo casual que muitas vezes se vale de pesos diferentes para ações similares, enquanto o público do julgamento (assim como o do filme) se comporta (e se deleita) como se o drama fosse um espetáculo. Afinal, como é dito em certo momento, uma escritora que mata marido é mais interessante que professor que se mata.

O pequeno Daniel diz que, se não é possível saber como a morte transcorreu, então só se pode refletir sobre o porquê. Nem sequer seu depoimento, central para o veredito, é possível de definir como real ou inventado. A câmera gira ao seu redor para justamente realçar a sua confusão com as vozes em disputa o inquirindo. É patente seu desconforto e angústia com tudo que tem que viver, especialmente quando levado em conta o peso de suas escolhas.

A diretora encena imagens diferentes para as diversas soluções criadas, brincando com a possibilidade de fabular realidades. Além de Sandra, o que está sendo julgado é seu casamento. E como todo relacionamento, em qualquer esfera, ele está sujeito a dias melhores e dias piores, a frustrações, resignações, mas também alentos da convivência, que proporcionam diferentes perspectivas em diferentes relatos.

Trata-se de uma narrativa intensa e exasperadora. Justine Triet domina a linguagem e nunca entrega o que realmente aconteceu. Cabe a cada pessoa espectadora escolher sua verdade, de acordo com seu julgamento a respeito dos personagens e a forma como avalia suas ações e suas respostas. O que está em jogo é uma negociação sobre percepções mediadas por imagens e sons ambíguos. Anatomia de um Crime talvez seja um enigma sem solução, mas isso não importa, porque seu triunfo está na complexa incerteza orquestrada com precisão.

Compartilhe
Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *